Trabalhadores dos CTT em greve geral a 5 de julho

  • Lusa
  • 12 Junho 2019

Os trabalhadores dos CTT exigem a contratação de mais pessoas, mas contestam também o encerramento de estações de correios.

Os trabalhadores dos CTT vão fazer uma greve geral no dia 5 de julho, para exigir a contratação de mais pessoas, avançou hoje o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTCT).

Em declarações à Agência Lusa, Victor Narciso considerou que a situação que vivem atualmente os trabalhadores dos CTT é “muito grave” e, por isso, o sindicato decidiu avançar com a realização de uma greve geral como medida de protesto.

Entre as reivindicações, Victor Narciso destacou a contratação de pessoal, uma vez que a escassez de mão-de-obra tem como consequência a sobrecarga dos trabalhadores.

“Os trabalhadores das distribuições estão a fazer dobras (o dobro do trabalho)” e, neste momento, “muitos trabalhadores estão de baixa”, nalguns casos baixas psiquiátricas, devido ao excesso de trabalho e às pressões sofridas quando não conseguem terminar o serviço que lhes é atribuído, acrescentou aquele dirigente sindical.

O encerramento de estações de correios é também alvo de protesto por parte do SNTCT. Segundo Victor Narciso, o próximo posto a fechar será o da freguesia da Venda Nova, no concelho da Amadora, e “ainda vão fechar mais”.

Hoje, o SNTCT entregou uma petição na Assembleia da República que reivindica a profissão de desgaste rápido para os carteiros.

O secretário-geral do SNTCT, esclareceu à Lusa que esta petição conta com 5.200 assinaturas e que a ideia inicial era entregá-la mais tarde, porém, dada a “urgência” da matéria, o sindicato decidiu entregá-la na Assembleia da República hoje.

“É de facto uma profissão com muita penosidade associada”, defendeu Victor Narciso, apontando o “grande grau de sinistralidade” a que os carteiros estão sujeitos, o tempo passado a andar a pé e as doenças que poderão ser consideradas profissionais como algumas das razões para esta exigência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores dos CTT em greve geral a 5 de julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião