Farfetch é uma das fundadoras da Libra, a criptomoeda do Facebook

A nova moeda do Facebook vai ter dedo português na sua fundação: a empresa de José Neves vai juntar-se à Libra Association como membro fundador.

A nova moeda do Facebook vai ter dedo português na sua fundação: a empresa de José Neves vai juntar-se à equipa como membro fundador, confirmou a Farfetch ao ECO. O unicórnio vai integrar a Libra Association e trabalhar de perto com empresas como a Uber, a Visa e o Spotofy para lançar a iniciativa, prevista para a primeira metade de 2020.

“A Libra Association será responsável por operar e desenvolver a Libra Blockchain, que será segura, escalável e fiável. Vai suportar um conjunto de usos de negócio assim como uma moeda digital. A Farfetch vai participar ativamente no processo técnico, arquitetural e de desenvolvimento operacional da Libra Association como um dos seus membros fundadores”, explica o unicórnio fundado pelo português José Neves.

Na semana passada, foi divulgado que Mark Zuckerberg estaria a liderar a criação de um consórcio que lançará a próxima criptomoeda, pensada para fazer pagamentos na internet. Entre os envolvidos na equipa fundadora estão empresas como a Visa, a MasterCard e a Uber, anunciou na altura o The Wall Street Journal.

Quatro dias depois, a Farfetch confirmou o envolvimento na iniciativa. Acreditamos que o blockchain vai beneficiar a indústria do luxo, melhorando a proteção do IP, a transparência no ciclo de vida do produto e, no caso da Libra, permitindo um e-commerce sem fricção”, justificou José Neves, citado em comunicado. Esta tecnologia é, de resto, um foco do interesse da empresa há já algum tempo: por isso, a Farfetch acredita que a Libra pode ser uma parte importante para o desenvolvimento da estratégia da empresa neste campo.

“Estamos há muito tempo a olhar para a tecnologia do blockchain para ajudar a resolver alguns dos temas da indústria da moda. Estamos contentes por termos sido desafiados a integrar a iniciativa da associação, que acreditamos que pode ajudar-nos a acabar com o e-commerce sem fricção para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo”, acrescenta Stephanie Phair, Chief Strategy Officer da Farfetch.

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, espera que uma criptomoeda de valor mais estável e associada à maior rede social do mundo se expanda a um ritmo mais elevado do que a Bitcoin, a moeda digital criada em 2008 que saltou para a ribalta quase dez anos depois, chegando a atingir um valor próximo dos 20.000 dólares em dezembro de 2017.

Além da Farfetch, entre os membros fundadores da Libra Association estão, na área dos pagamentos, a Mastercard, PayPal, PayU (braço fintech da Naspers), Stripe, Visa; em tecnologia e marketplaces, a Booking Holdings, eBay, Facebook/Calibra, Lyft, Mercado Pago, Spotify, Uber; em telecomunicações, a Iliad, Vodafone Group, Anchorage, Bison Trails, Coinbase, Inc., Xapo Holdings Limited; em capital de risco, a Andreessen Horowitz, Breakthrough Initiatives, Ribbit Capital, Thrive Capital, Union Square Ventures; e, em matéria de organizações e instituições académicas, a Creative Destruction Lab, Kiva, Mercy Corps e o Women’s World Banking.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch é uma das fundadoras da Libra, a criptomoeda do Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião