Facebook vai criar mais de 500 novos empregos em Londres

  • Lusa
  • 12 Junho 2019

Facebook lança novo centro de engenharia em Londres e cria 500 postos de trabalho. 100 destas vagas serão para trabalhar na área da inteligência artificial.

O Facebook anunciou esta quarta-feira que vai criar 500 novos empregos em Londres no final deste ano, quando abrir o novo centro de engenharia da empresa na capital britânica.

A vice-presidente do Facebook para Europa, Médio Oriente e África, Nicola Mendelsohn, disse esta quarta-feira na London Tech Week que os novos postos de trabalho demonstram “não só o compromisso da empresa com o Reino Unido”, mas também a determinação da tecnológica em fazer “todo o possível” para que a rede social “seja um lugar seguro”.

Mendelsohn referiu ainda que 100 novos trabalhadores estarão vocacionados para trabalhar na área da inteligência artificial, enquanto outro “número considerável” será responsável por trabalhar ao nível da segurança, o que implicará fabricar um ‘software’ para lutar contra as mensagens “spam”, outros conteúdos maliciosos e contra as contas falsas.

No total, serão mais de 3.000 as pessoas que trabalham no Facebook em Londres, incluindo os novos colaboradores. Trata-se do maior núcleo de engenharia que o gigante tecnológico possui fora dos Estados Unidos.

A rede social viu-se envolvida nos últimos tempos em vários escândalos relacionados com a privacidade e a propagação de informação falsa.

O Reino Unido multou o Facebook em 500 mil libras (565 mil euros) no ano passado por violar a lei da proteção de dados no país.

O Facebook, em conjunto com a britânica Cambridge Analytica, empresa que já fechou, acedeu indevidamente aos dados de 87 milhões de utilizadores da rede social em todo o mundo, o que foi provavelmente usado para influenciar a campanha sobre o referendo da saída do Reino Unido da União Europeia, designada por Brexit, que decorreu a 23 junho de 2016.

O ministro da Cultura, Media e Desportos britânico, Jeremy Wright, congratulou-se esta quarta-feira com o novo investimento do Facebook em Londres, descrevendo-o como “um passo positivo”, graças ao qual “os especialistas britânicos podem ajudar a desenvolver soluções tecnológicas para combater comportamentos danosos em todo o mundo”.

Na mesma linha de pensamento, o presidente da Câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, disse que se trata de “mais uma prova” de que a cidade é “aberta a talentos e investimentos” no setor em ascensão, o da tecnologia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai criar mais de 500 novos empregos em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião