Hoje nas notícias: Taxas moderadoras, Constâncio e vacas loucas

  • ECO
  • 18 Junho 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A maioria das taxas moderadoras na saúde vai deixar de ser cobrada, uma iniciativa que tem um custo de cerca de 100 milhões de euros por ano. Nos matadouros, a chamada taxa das vacas loucas foi considerada inconstitucional, já que não deveria ser cobrada a estes centros. Em 2007, a reunião onde foi aprovada a subida de posição de Berardo no BCP contou com a presença do ex-governador Vítor Constâncio. Veja estas e outras notícias que marcam as manchetes nacionais.

Fim das taxas moderadoras custa 100 milhões de euros por ano

Com a aprovação da proposta do Bloco de Esquerda no Parlamento, as taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e em todas as consultas e prestações de saúde que sejam prescritas por profissional de saúde e cuja origem de referenciação seja o SNS vão deixar de existir. Esta medida vai custar mais de cem milhões de euros por ano, sendo este o valor a que ascenderam no ano passado os proveitos destas taxas, que representam cerca de 2% do orçamento do Serviço Nacional de Saúde.

Leia a notícia completa na TSF (acesso livre).

Constâncio esteve na reunião que formalizou não oposição a Berardo

O ex-governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, esteve presente na reunião que aprovou a ata sobre o aumento de participação de Joe Berardo no BCP, a 28 de agosto de 2007, e não se opôs ao pedido. Foi ainda nesse dia que o Banco de Portugal emitiu uma nota a dar luz verde ao investidor para aumentar a posição no BCP. Algumas semanas antes, em julho, Constâncio recebeu Berardo no Banco de Portugal, numa reunião onde a subida de participação foi um dos temas abordados.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Taxa das vacas loucas é inconstitucional

A taxa cobrada aos matadouros pelo Estado, que teve origem na doença das vacas loucas e vigora há oito anos, foi declarada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional. A taxa, que servia para financiar o Sistema de Recolha de Cadáveres de Animais, era inicialmente cobrada aos criadores de ovinos, bovinos, caprinos e suínos através dos centros de abate mas, em 2011, passou a ser diretamente cobrada aos matadouros, apesar de estes não beneficiarem de forma nenhuma das verbas.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Altice não vai financiar compra da Sotheby’s

A Sotheby’s vai ser comprada pelo fundador da Altice, Patrick Drahi, mas a operação vai ser financiada totalmente através da sua holding pessoal, BitFair, criada especialmente para este efeito. O negócio pressupõe o lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) e, no futuro, a BitFair poderá ser usada para novas aquisições de âmbito pessoal, mas não relacionadas com a Altice, garantiram fontes. Patrick Drahi vai pagar 3,7 mil milhões de dólares para ficar com 100% do capital da Sotheby’s, um valor que será pago através de um financiamento aprovado pelo BNP Paribas, bem como de “fundos próprios”, explicou, numa carta enviada aos acionistas da leiloeira.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Sindicato da construção quer salários 50% mais altos

O Sindicato da Construção quer negociar um novo contrato coletivo de trabalho para o setor que assegure a aproximação dos salários dos operários portugueses aos europeus. Para Albano Ribeiro “é uma vergonha” que um operário qualificado ganhe 606 euros por mês em Portugal quando, em França, esse valor aumenta para os 2.500 e para os 3.500 euros na Alemanha. Nesse sentido, o sindicato exige que o vencimento de tabela de um operário qualificado passe a ser, no mínimo, de 900 euros. E espera contar com o apoio dos eurodeputados portugueses nesta luta.

Leia a notícia completa no Dinheiro Vivo (acesso livre).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Taxas moderadoras, Constâncio e vacas loucas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião