Centeno “satisfeito” com apoio dos líderes ao acordo no Eurogrupo

  • Lusa
  • 21 Junho 2019

O presidente do Eurogrupo manifestou a sua satisfação quanto ao acordo conseguido no Eurogrupo sobre o instrumento de convergência, mas ainda não há solução para a forma como será financiado.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, mostrou-se esta sexta-feira “muito satisfeito” pelo apoio dado pelos líderes da União Europeia (UE) para prosseguir os trabalhos referentes à proposta de orçamento da zona euro, destacando que esta é uma “importante tarefa”.

“Hoje estou muito satisfeito com apoio da cimeira do euro ao nosso trabalho, que é sempre bom porque pusemos muito esforço nesta importante tarefa”, declarou o também ministro das Finanças português, em Bruxelas.

O responsável falava aos jornalistas após uma cimeira do euro que serviu para analisar os tímidos avanços alcançados pelos ministros das Finanças da zona euro (Eurogrupo) no aprofundamento da União Económica e Monetária, designadamente no desenvolvimento de um instrumento orçamental próprio para a competitividade e convergência na zona euro.

No encontro, que decorreu após o Conselho Europeu e envolveu dirigentes da UE a 27 – com responsáveis da zona euro e outros, num formato alargado – “muitos países sublinharam esta necessidade de completar o instrumento orçamental da zona euro”, referiu Mário Centeno.

Acresce que “concluir a União Bancária é da maior importância para todos os Estados-membros e isso foi reconhecido novamente hoje”, acrescentou o responsável português.

“Temos de nos focar nisso e, por nisso, continuaremos o nosso trabalho no segundo semestre”, realçou.

Na madrugada da passada sexta-feira, os ministros das Finanças europeus chegaram a acordo, no Luxemburgo, sobre as principais linhas de um orçamento para a zona euro, deixando, contudo, em aberto questões fundamentais, tais como a sua dimensão e financiamento.

Falando sobre esse acordo, conseguido na reunião do Eurogrupo de há uma semana, Mário Centeno indicou que o compromisso “foi hoje reforçado” na cimeira do euro.

Num comunicado conjunto com as conclusões da cimeira do euro, os líderes da UE a 27 (sem contar com o Reino Unido) congratulam-se com “os progressos alcançados no Eurogrupo sobre o reforço da União Económica e Monetária”.

Ainda assim, instam o Eurogrupo “a trabalhar em todos os elementos deste pacote abrangente”.

Entre as principais tarefas está, assim, a revisão do Mecanismo Europeu de Estabilidade, com os líderes europeus a esperarem que “o Eurogrupo continue o seu trabalho de modo a permitir um acordo sobre o pacote completo em dezembro de 2019”.

Ao mesmo tempo, pedem que o instrumento orçamental próprio para a competitividade e convergência na zona euro “assegure a autonomia da decisão dos Estados-membros” da moeda única.

“Pedimos ao Eurogrupo que informe rapidamente sobre as soluções adequadas para o financiamento. Estes elementos devem ser acordados como uma questão prioritária, de modo a se poder definir a dimensão do instrumento orçamental no contexto do próximo quadro financeiro plurianual”, adiantam.

Em dezembro de 2018, Mário Centeno recebeu um mandato dos chefes de Estado e de Governo da zona euro para trabalhar numa proposta de uma capacidade orçamental própria para a competitividade e convergência na zona euro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno “satisfeito” com apoio dos líderes ao acordo no Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião