Hoopers: a paixão do basket de rua está no campo. E vem numa caixa-surpresa

Dois ex-adversários tornaram-se sócios para concretizarem um sonho: oferecer a paixão do basquetebol numa caixa, dar-lhe visibilidade e fazer crescer a popularidade deste "jogo de rua".

Chegou sem avisar, entrou e apresentou-se. “Olá, sou o Hugo”, disse. Prestes a voltar a Portugal, Hugo Domic, 28 anos, decidiu visitar a Startup Lisboa para começar a conhecer melhor o ecossistema empreendedor da cidade. Nesse dia, o empreendedor (fundador e a terminar o exit de uma startup que entregava combustível em França e na Alemanha) (re)encontrou André Costa, 29. Conhecia aquela cara de algum lado. Conversa puxa conversa, Hugo (ex-Benfica) percebeu que era do campo de basquetebol que conhecia André (ex-Queluz). Tinham jogado um contra o outro.

A história não seria relevante se não viesse seguida de outra. André estudou gestão no ISCTE e foi na escola de negócios que teve a sua primeira experiência empreendedora. Depois de ter criado uma júnior empresa de consultoria, passou pela ZON, despediu-se e viajou três meses pela América do Sul, integrou a equipa de consultoria estratégica da Accenture no Brasil e, anos depois, voltou a Portugal para trabalhar na PwC onde esteve até 2015. Nesse ano, acabado de ser promovido a manager, percebeu que, ainda que pudesse ser bom a fazer o que fazia, o trabalho não o fazia feliz. Tirou uma licença sem vencimento para embarcar na sua segunda experiência empreendedora.

“Durante esses meses estive a tentar montar um projeto na área da aviação. Tentei uma vez, não resultou. Fiz pivoting [alteração no modelo de negócio], também não resultou. Fiz todo o tipo de erros que espero nunca mais voltar a fazer, mas que foram muito importantes do ponto de vista de aprendizagem“, explica ao ECO. Apesar das dificuldades, André não voltou à PwC. Agarrou a oportunidade de trazer a Waynabox, projeto que tinha conhecido num programa de aceleração da Startup Lisboa, para Portugal. Um dia decidiu sair e começar algo seu. No processo, agarrou a área de mentoria da Startup Lisboa, dinamizando de seguida as de parcerias, investimento e business development. Foi num desses dias que Hugo apareceu na incubadora.

Hugo Botelho e André Costa, fundadores da Hoopers.D.R.

O tempo conta o resto da história. Hugo passou a diretor de operações da Kapten, André continuou na Startup Lisboa. Há quatro meses, André contou a Hugo o que queria fazer. ” “Comecei a pensar na ideia e a falar com o Hugo sobre ela, e ele disse-me que queria fazer isto também. E aconteceu naturalmente.”

Em fevereiro conversaram pela primeira vez, em abril começaram a trabalhar na Hoopers. “Ambos tivemos experiências no estrangeiro e lidámos com um problema: quisemos jogar basket na cidade e não conseguimos encontrar os campos. Não há informação agregada em nenhum sítio que nos diga localização, condições de piso e de tabelas e que pessoas lá jogam. A nossa primeira ideia foi começar a resolver este problema”, recorda André. Só que à medida que iam avançando, apareceram mais desafios. “Se quiser jogar com outras pessoas, como combino? Há obviamente canais informais do Facebook, Whatsapp e mensagens mas, muitas vezes, quando estás dentro de campo, nem sequer conheces as pessoas com quem jogas. O processo é, também ele, orgânico. Entras e começas a jogar”. Foi desse processo que resultou a recém-criada Hoopers, uma plataforma que combina e promove campos, produtos, conteúdos e experiências.

"Queremos voltar a trazer a identidade do desporto para a rua e nos praticantes, onde ela deveria estar.”

André Costa

Cofundador da Hoopers

“A ideia é termos uma linha editorial da Hoopers, que vamos produzir, criar, desenvolver e distribuir conteúdo e que funciona também como um agregador de várias fontes de basket. Queremos responder às necessidades de campos, ter um repositório tanto em Portugal como no mundo com estas características”, explica André. E Hugo acrescenta: “Há jogadores americanos que, mesmo que tenham sido estrelas anteriormente, caem no esquecimento quando vêm jogar para a Europa. É nesta falta de engagement e de conhecimento sobre como posso promover estes jogadores em forma de conteúdos que queremos ajudar e oferecer o nosso know-how. Seja em formato audiovisual, texto, ou outro, e para que eles sejam reconhecidos e nós ofereçamos uma qualidade de maneira a que o basket e o ecossistema melhorem rapidamente”.

Além do vertical de conteúdos, os dois empreendedores querem ter outras vertentes de negócio. “Começar a evoluir para outro tipo de experiências relacionadas com os campos que queremos dar às pessoas. Paralelamente, queremos explorar a vertente de produto que, tanto o Hugo como eu temos, de logística e de conceito de surpresa. Por isso pensámos criar um modelo de surprise box com produtos de basket, em que a marca predominante de produtos seja a nossa, muito orientada para a rua, para o street basket. Queremos voltar a trazer a identidade do desporto para a rua e nos praticantes, onde ela deveria estar”, detalha André acrescentando que essas experiências podem passar por produtos como o NBA League Pass para assistir aos jogos ou até a oportunidade de algum tipo de treino com um jogador profissional. “Esta é uma das linhas para o modelo de negócio da caixa”, diz.

Com um investimento nulo até agora e um modelo de negócio assente na oferta de, por um lado, conteúdo e, por outro, uma caixa mensal com produtos que deverá custar entre 29,90 e 39,90 euros, a Hoopers arranca com a box em pré-reserva e com um mapeamento de mais de 20 campos (maioritariamente em Lisboa mas também em localizações como Paris). E com a ambição de conquistar um mercado que contabiliza, não só os 40 mil jogadores de basquetebol federados em Portugal mas esse número multiplicado por 40, que inclui fãs e outras pessoas apaixonadas pela modalidade. E depois? Depois, o mundo.

“Começámos em Portugal por razões de contexto mas a ambição é global. Acreditamos que vamos trazer gente para comprar produto pela via do conteúdo, e captar gente para os conteúdos pela via das caixas. Este 1+1 vai ter de ser 3”, brinca André, acrescentando: “Obviamente queremos fazer o teste em Portugal mas nos próximos seis a 12 meses olhar já para Espanha, como ponto seguinte para agarrar um mercado com a mesma lógica”.

Um campo, um artista, um jogo

Agarrar um campo e, através dele, uma cidade inteira. E, claro, os seus jogadores. Hugo e André decidiram que, para lançar a marca, queriam desafiar um artista de arte urbana para pintar um campo de basket na cidade. Um contacto com a galeria Underdogs surpreendeu-os: já alguém tinha pensado no mesmo e o processo, no âmbito do programa de arte pública promovido por esta galeria em conjunto com a câmara de Lisboa e que conta com o apoio da junta de freguesia de Arroios, já estava em curso.

Arte urbana no campo de basquetebol pertencente à freguesia de Arroios é assinada pelo artista português Akacorleone.D.R.

Foi nessa altura que Akacorleone (nome artístico de Pedro Campiche, fã e jogador de basket) apareceu na história da Hoopers.

“A obra é do Pedro, e ele está de parabéns. Nós queremos agarrar a dinamização cultural do campo e dar vida a este espaço, trabalhando as nossas áreas. Música, experiências (iniciativas com jogadores profissionais). Temos aqui um espaço onde podemos dinamizar programação. E queremos ter mais como este, em Portugal e no estrangeiro”, sublinha André.

 

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Hoopers: a paixão do basket de rua está no campo. E vem numa caixa-surpresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião