Seis milhões de horas extra feitas pelos médicos davam para contratar quatro mil

  • Lusa
  • 29 Junho 2019

Bastonário da Ordem dos Médicos diz que as horas extraordinárias representam já um quarto da remuneração média mensal dos médicos, incluindo os que não cumprem serviço de urgência.

Os médicos que trabalham no SNS fazem num ano cerca de seis milhões de horas extraordinárias, o que daria para contratar quatro mil profissionais.

As contas são do bastonário da Ordem dos Médicos, que se baseia nos quase seis milhões de horas extra que os médicos que trabalham no Serviço Nacional de Saúde (SNS) cumpriram em 2017.

Segundo Miguel Guimarães, as horas extraordinárias representam já um quarto da remuneração média mensal dos médicos, incluindo os que não cumprem serviço de urgência.

"Portugal é o terceiro país da OCDE com mais médicos por mil habitantes. Cerca de 45 mil médicos estão a trabalhar em Portugal, mas no SNS são menos de 29 mil.

Miguel Guimarães

Bastonário da Ordem dos Médicos

“Só com este dado percebe-se que faltam quatro mil médicos no SNS”, afirmou em entrevista à agência Lusa.

A este indicador acrescem os 100 milhões de euros pagos a médicos prestadores de serviço, conhecidos como tarefeiros, a quem o SNS recorre para suprir necessidades por falta de profissionais.

O gasto com tarefeiros permitiria contratar cerca de três mil médicos, o que, para o bastonário, evidencia a carência de pessoal médico no SNS, onde faltarão pelo menos cinco mil especialistas.

Miguel Guimarães reconhece que Portugal é um país com muitos médicos, mas alerta que dos 52 mil clínicos registados na Ordem, menos de 29 mil trabalham no SNS, sendo que 10 mil são médicos internos, ainda em formação de especialidade.

“Portugal é o terceiro país da OCDE com mais médicos por mil habitantes. Cerca de 45 mil médicos estão a trabalhar em Portugal, mas no SNS são menos de 29 mil”, afirmou à Lusa.

A Ordem ainda não tem contas atualizadas quanto aos médicos emigrados, mas o bastonário calcula que rondem os cinco mil os clínicos atualmente a trabalhar fora do país.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis milhões de horas extra feitas pelos médicos davam para contratar quatro mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião