Berardo envia carta a Ferro para defender honra. “Fui objeto de um verdadeiro julgamento popular” no Parlamento, diz comendador

Berardo escreveu uma carta a Ferro Rodrigues para fazer defesa da sua honra. Diz que foi vítima de um "verdadeiro julgamento popular". Teme que tribunais se deixem influenciar pela opinião pública.

Joe Berardo enviou uma carta aberta ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, para fazer a “defesa da honra pessoal”, queixando-se de ser vítima de “um verdadeiro julgamento popular” no Parlamento. Teme ainda que os danos reputacionais da sua prestação na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) possam afetar os vários processos judiciais que tem contra si.

“Em 5 horas, tive alguns momentos infelizes em que respondi ao mesmo tom de desafio a perguntas também elas provocatórias, quando não vexatórias”, escreveu o empresário madeirense numa missiva dirigida a Ferro Rodrigues a que o ECO teve acesso. A RTP avançou inicialmente com a informação.

“Com isso provoquei a indignação de muitos políticos e de opinion makers, sendo essa minha inquirição reproduzida e comentada vezes sem conta nos quase dois meses que se passaram desde a mesma”, acrescentou Joe Berardo.

O empresário madeirense refere que o seu depoimento na comissão de inquérito à recapitalização e gestão da CGD, no passado dia 10 de maio, o poderá afetar nas várias ações nos tribunais que lhe foram movidas. “A minha posição perante os vários processos judiciais que me foram movidos dificilmente possa vir a ser apreciada com o necessário distanciamento, pois os tribunais, sendo uma realidade humana, onde decidem homens e mulheres, não são imunes, ainda que inconscientemente, aos efeitos da opinião pública”, frisa Joe Berardo numa carta com cinco páginas.

Na sua defesa, diz que foi “objeto de um verdadeiro julgamento popular, (…) com várias qualificações sumárias do meu carácter”. “Pensava eu que as comissões parlamentares serviam para julgar atos e responsabilidades políticas, não para julgar causa privadas”, considerou.

Criticou o facto de a comissão de inquérito ao banco público, presidida pelo deputado do PSD Luís Leite Ramos, ter permitido que o Canal Parlamento tivesse transmitido a audição em direto, e cuja transmissão afetou a sua credibilidade.

Também rejeita pressões do Parlamento para que “revele factos que não estejam relacionados com atos dos gestores da CGD e dos responsáveis políticos e públicos pela supervisão da mesma”.

Neste momento, a comissão de inquérito está a pedir a Joe Berardo que envie todas as atas das últimas assembleias gerais da Associação Coleção Berardo, dona das obras de arte, e poderão ajudar os deputados a perceber como é que o comendador deu a “golpada” aos bancos, como disse a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua. Uma vez que Berardo se recusou a enviar os documentos, o Parlamento vai pedir a intervenção do Ministério Público para aceder às informações.

“Paguei 231 milhões à banca a troco de nada”

A carta é conhecida dias depois das notícias sobre o arresto de alguns bens de Berardo por parte do tribunal: entre os quais dois apartamentos em Lisboa. Foi um arresto feito a pedido da CGD, mas Berardo tem mais processos. No passado dia 20 de abril, CGD, BCP e Novo Banco entregaram uma ação executiva no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa para cobrar dívidas de Joe Berardo de quase 1.000 milhões de euros. Ao banco público ficou a dever perto de 320 milhões, segundo a EY.

Berardo diz que esse dinheiro “foi perdido” na compra de ações do BCP que “perderam a quase totalidade do seu valor devido à crise de 2008”. Acrescenta que reforçou as garantias para tentar saldar a dívida, razão pela qual já perdeu grande parte do seu património.

“Mas nem com a entrega desses bens consegui pagar a dívida, tendo pago quase só em juros à volta de 231 milhões de euros. Veja-se bem: já paguei à banca cerca de 231 milhões de euros em troco de nada. E como se não bastasse o ataque ao meu património, tenho agora de defender-me do ataque ao meu bom nome”, afirmou.

(Notícia atualizada às 20h57)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berardo envia carta a Ferro para defender honra. “Fui objeto de um verdadeiro julgamento popular” no Parlamento, diz comendador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião