Cientistas, demógrafos, sociólogos e advogados debatem desafios sociais em conferência aberta na Morais Leitão

A conferência "O Futuro e a Esperança" é organizada pelo IMGT e pelo Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes e junta vários profissionais para debater atuais desafios na ciência e sociedade.

O Instituto Miguel Galvão Teles (IMGT) organiza no próximo dia 2 de julho, em parceria com o Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM), a conferência “O Futuro e a Esperança – os desafios da ciência e o envolvimento da sociedade” no auditório João Morais Leitão, em Lisboa.

O debate junta oradores de vários setores: Rui Patrício, sócio da Morais Leitão e coordenador do IMGT, fará a abertura do painel “Os Desafios e a Esperança na Ciência”, que conta com as intervenções de três cientistas do iMM — Maria Manuel Mota, Luísa Lopes e Bruno Silva-Santos. A sessão será moderada por Sara Sá, jornalista da revista Visão.

O segundo painel — “Vivemos Mais E Melhor” — vai abordar os desafios de uma sociedade mais envelhecida e inclui as participações de Isabel Vaz, do grupo Luz Saúde, José Bourdain, presidente da Associação Nacional dos Cuidados Continuados, Maria João Valente Rosa, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, e Ana Sofia Carvalho, do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. A moderação fica a cargo de António Lobo Xavier, sócio da Morais Leitão.

“Esta é uma oportunidade única para se ficar a conhecer e debater os avanços científicos que a medicina conquistou e quais os próximos obstáculos a enfrentar”, aponta a direção do IMGT, citada em comunicado. “Na construção de um futuro com mais vida e menos doença, importa promover o espírito crítico, o rigor e o envolvimento de todos na ciência”, considera Maria Manuel Mota, diretora executiva do iMM.

A sessão realiza-se das 14h00 às 18h15, na Rua Castilho, 165. A entrada é livre, sujeita a inscrição prévia através do e-mail: eventos@mlgts.pt.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cientistas, demógrafos, sociólogos e advogados debatem desafios sociais em conferência aberta na Morais Leitão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião