Livre comércio em África vai beneficiar as empresas portuguesas de sucesso, defende COSEC

  • Lusa
  • 1 Julho 2019

A presidente da COSEC considera que o tratado que estabelece a zona de livre comércio em África "vai ser bom para as empresas portuguesas que já tenham feito um bom trabalho em Angola".

A presidente da Companhia de Seguros de Crédito (COSEC) defendeu esta segunda-feira que o tratado que estabelece a zona de livre-comércio em África é uma boa oportunidade para as empresas portuguesas capitalizarem a reputação positiva. “Vai ser bom para as empresas portuguesas que já tenham feito um bom trabalho em Angola, por exemplo, e que são convidadas a replicar a experiência noutros países africanos”, disse Celeste Hagatong, em entrevista à Lusa, a propósito dos 50 anos da COSEC, que se assinalam este ano.

“Há a possibilidade de muitos empresários partirem para outros países a partir do reconhecimento que tiveram em Angola, e isso pode facilitar muito a posição das empresas portuguesas em África”, vincou a responsável.

Questionada sobre se a perceção de risco sobre o continente africano é exagerada quando é analisada por entidades não africanas, como defendem vários governantes e banqueiros do continente, Celeste Hagatong lembrou que os critérios são iguais para todos e os resultados variam em função disso.

“O risco dos países é medido todo da mesma maneira, se as regras não são exatamente aquelas, a perceção não é tão positiva”, explicou, exemplificando que “Angola e Moçambique são países que têm capacidade de gerar, a médio prazo, volumes importantes de riqueza para o próprio país, com as reservas petrolíferas, mineiras e de agricultura, mas não é de hoje para amanhã, e a curto prazo têm um risco”.

As seguradoras, continuou, “não vão pôr o capital em risco em países que de um momento para o outro podem ter uma convulsão, ao passo que as agências de crédito à exportação podem esperar a força política de dois governos para chegarem a um acordo de reescalonamento ou revisão de condições, estão numa posição diferente”, concluiu.

O acordo de livre-comércio pretende estabelecer um enquadramento para a liberalização de serviços de mercadorias e tem como objetivo eliminar as tarifas aduaneiras em 90% dos produtos. O Acordo de Livre-Comércio Continental Africano (AfCFTA, na sigla em inglês) permitirá criar o maior mercado do mundo, uma vez que pretende envolver os 55 membros da União Africana, com um Produto Interno Bruto (PIB) acumulado a ascender a 2,5 biliões (milhões de milhões) de dólares (cerca de dois biliões de euros).

Os países podem implementar a redução de tarifas durante um período prolongado no caso das mercadorias sensíveis ou manter as tarifas existentes para os restantes 10% de produtos. O AfCFTA, que visa criar, em várias fases, um mercado único de produtos e serviços entra em vigor oficialmente a 7 de julho – durante a cimeira da União Africana em Niamey, no Níger – nos 25 países que o ratificaram, já incluindo São Tomé e Príncipe, que entregou os instrumentos de ratificação esta semana.

O acordo não foi assinado pela Nigéria (a maior economia do continente), Benim e Eritreia, mas entre os países que o ratificaram contam-se potências comerciais como a África do Sul, Quénia ou Egito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Livre comércio em África vai beneficiar as empresas portuguesas de sucesso, defende COSEC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião