Livre comércio em África vai beneficiar as empresas portuguesas de sucesso, defende COSEC

  • Lusa
  • 1 Julho 2019

A presidente da COSEC considera que o tratado que estabelece a zona de livre comércio em África "vai ser bom para as empresas portuguesas que já tenham feito um bom trabalho em Angola".

A presidente da Companhia de Seguros de Crédito (COSEC) defendeu esta segunda-feira que o tratado que estabelece a zona de livre-comércio em África é uma boa oportunidade para as empresas portuguesas capitalizarem a reputação positiva. “Vai ser bom para as empresas portuguesas que já tenham feito um bom trabalho em Angola, por exemplo, e que são convidadas a replicar a experiência noutros países africanos”, disse Celeste Hagatong, em entrevista à Lusa, a propósito dos 50 anos da COSEC, que se assinalam este ano.

“Há a possibilidade de muitos empresários partirem para outros países a partir do reconhecimento que tiveram em Angola, e isso pode facilitar muito a posição das empresas portuguesas em África”, vincou a responsável.

Questionada sobre se a perceção de risco sobre o continente africano é exagerada quando é analisada por entidades não africanas, como defendem vários governantes e banqueiros do continente, Celeste Hagatong lembrou que os critérios são iguais para todos e os resultados variam em função disso.

“O risco dos países é medido todo da mesma maneira, se as regras não são exatamente aquelas, a perceção não é tão positiva”, explicou, exemplificando que “Angola e Moçambique são países que têm capacidade de gerar, a médio prazo, volumes importantes de riqueza para o próprio país, com as reservas petrolíferas, mineiras e de agricultura, mas não é de hoje para amanhã, e a curto prazo têm um risco”.

As seguradoras, continuou, “não vão pôr o capital em risco em países que de um momento para o outro podem ter uma convulsão, ao passo que as agências de crédito à exportação podem esperar a força política de dois governos para chegarem a um acordo de reescalonamento ou revisão de condições, estão numa posição diferente”, concluiu.

O acordo de livre-comércio pretende estabelecer um enquadramento para a liberalização de serviços de mercadorias e tem como objetivo eliminar as tarifas aduaneiras em 90% dos produtos. O Acordo de Livre-Comércio Continental Africano (AfCFTA, na sigla em inglês) permitirá criar o maior mercado do mundo, uma vez que pretende envolver os 55 membros da União Africana, com um Produto Interno Bruto (PIB) acumulado a ascender a 2,5 biliões (milhões de milhões) de dólares (cerca de dois biliões de euros).

Os países podem implementar a redução de tarifas durante um período prolongado no caso das mercadorias sensíveis ou manter as tarifas existentes para os restantes 10% de produtos. O AfCFTA, que visa criar, em várias fases, um mercado único de produtos e serviços entra em vigor oficialmente a 7 de julho – durante a cimeira da União Africana em Niamey, no Níger – nos 25 países que o ratificaram, já incluindo São Tomé e Príncipe, que entregou os instrumentos de ratificação esta semana.

O acordo não foi assinado pela Nigéria (a maior economia do continente), Benim e Eritreia, mas entre os países que o ratificaram contam-se potências comerciais como a África do Sul, Quénia ou Egito.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Livre comércio em África vai beneficiar as empresas portuguesas de sucesso, defende COSEC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião