Parlamento não quer ser incluído megabase de dados pública mas defende aplicação a outros

  • ECO
  • 2 Julho 2019

PSD, CDS, BE e PCP unem-se para tirar deputados das obrigações de informar megabase de dados sobre salários, suplementos ou horários. Mas apesar de se isentarem, querem impor regras ao BdP.

A Assembleia da República (AR) quer ficar de fora da megabase de dados que vai reunir informação individualizada sobre os funcionários públicos, não aceitando, porém, a ideia de entidades como o Banco de Portugal ficarem de fora, tal como chegou a ser requisitado pelo supervisor bancário, segundo escreve esta terça-feira o Jornal de Negócios (acesso pago).

Em causa a reformulação e ampliação do sistema de informação da organização do Estado, que reúne dados sobre os recursos humanos das administrações públicas, tais como salários, suplementos, habilitações literárias e horários de trabalho, ainda que em formato pseudonimizado, ou seja, sem associar as informações a dados pessoais que permitam a identificação direta de cada um dos profissionais lá incluídos.

A reformulação em curso a este sistema de informação prevê que os deveres de informar esta megabase de dados seja aplicada a todos os órgãos e entidades públicas, incluindo os órgãos de soberania. Mas os deputados não querem ser incluídos, com quase todos os partidos, dos mais à esquerda aos mais à direita, a encontrarem aqui um novo ponto de convergência de interesses.

O Conselho de Administração do Parlamento, e por acordo de todos os grupos parlamentares à exceção do PS, apresentou uma proposta de alteração em que se exclui, e aos restantes órgãos de soberania, do âmbito da aplicação desta nova megabase de dados. Mas apesar dos parlamentares quererem ficar de fora, acham que a mesma megabase de dados não deve deixar de fora o Banco de Portugal, escreve o diário.

“A AR e a Presidência da República são órgãos que não dependem do governo e que têm uma gestão de recursos humanos com base nos seus próprios critérios”, apontou Duarte Pacheco, do PSD, ao Negócios. “Deve ser prestada informação, mas é preciso assegurar que são entidades independentes do Governo”, acrescentou.

“Lembrámos que os tribunais também reportam a informação, e que a AR não podia seguir o mau exemplo de não dar informação sobre os seus recursos humanos”, considerou por seu turno o ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, hoje deputado socialista, sobre o que o PS defendeu na última reunião de parlamentares que debateu o âmbito de aplicação da megabase de dados.

A ideia de deixar o Parlamento — e os deputados — de fora da megabase de dados sobre funcionários e serviços públicos voltará a ser discutida esta quarta-feira, na reunião da comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, sendo expectável que os vários partidos da oposição se unam para não verem os seus dados incluídos no sistema de informação da organização do Estado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento não quer ser incluído megabase de dados pública mas defende aplicação a outros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião