Banca limpa mais 1,4 mil milhões de crédito malparado

Desde o máximo observado em junho de 2016, o rácio de malparado na banca nacional já encolheu 52%.

Milhão a milhão, os bancos vão-se desfazendo do fardo do malparado. No arranque deste ano, “limparam” mais 1,4 mil milhões de euros em créditos não produtivos, reduzindo o rácio de créditos em incumprimento no balanço de todo o sistema financeiro português para 8,9%.

“No primeiro trimestre de 2019 os stocks de empréstimos non-performing das Sociedades Não Financeiras e dos particulares diminuíram cerca de 900 e 500 milhões de euros, respetivamente”, refere o relatório do Sistema Bancário Português revelado pelo Banco de Portugal. Assim, desde o pico, já se registou uma diminuição de 26 mil milhões de euros no malparado em Portugal.

“Esta evolução permitiu atingir um rácio de NPL total de 8,9% (4,3% quando líquido de imparidades), diminuindo 0,5 pontos percentuais (pp) face ao final de 2018″, estando o rácio de cobertura por imparidades dos NPL em 52,2%. “Desde o máximo observado em junho de 2016, o rácio de NPL diminuiu 9,0 pp (SNF: – 12,7 pp; Particulares: -4,5 pp)”, acrescenta o relatório. Houve uma “redução de 52% do stock total de NPL”.

Limpeza castiga rentabilidade

Este contínuo esforço de redução do peso do malparado tem pesado nas contas. E voltou a pesar no arranque deste ano, nota o supervisor, liderado por Carlos Costa. “No primeiro trimestre de 2019, a rendibilidade do capital próprio (ROE) e do ativo (ROA) do
sistema bancário diminuiu”, reflexo da redução “dos resultados de operações financeiras e o aumento das provisões e imparidades.

Por seu lado, nota o Banco de Portugal, o rácio cost-to-income diminuiu para 57,1% (57,9% no 1.º trimestre de 2018), decorrente do aumento do produto bancário, num contexto de estabilização dos custos operacionais.

Bancos mais sólidos

Mesmo com a quebra na rentabilidade, a solvabilidade dos bancos aumentou nos primeiros três meses do ano. “No primeiro trimestre de 2019, os rácios de solvabilidade aumentaram de forma expressiva face ao final de 2018, com o rácio de fundos próprios totais e o rácio de fundos próprios principais de nível 1 (CET 1) a situarem-se em 16,0% e 13,8%, respetivamente”, nota o supervisor.

“Esta evolução reflete a incorporação dos resultados positivos de um conjunto de instituições referentes ao exercício de 2018 e, no caso do primeiro indicador, a emissão de instrumentos de Additional Tier 1“, salienta.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca limpa mais 1,4 mil milhões de crédito malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião