Portugal já tem 60% da dívida no mercado com taxas negativas

Todas as obrigações do Tesouro português com maturidade até sete anos negoceiam com yields negativas. Valor com taxas abaixo de 0% aumentou 21,7 mil milhões apenas desde o início da semana.

Portugal tem 125,5 mil milhões de euros em dívida disponível no mercado e 76,8 mil milhões tem juros negativos. Com as yields a renovarem diariamente mínimos históricos, os investidores já estão disponíveis a pagar para deter quase dois terços das obrigações do Tesouro portuguesas.

Do total de dívida portuguesa que os investidores podem trocar entre si no mercado secundário, 61% transaciona com juros negativos, de acordo com os cálculos do ECO com base em dados da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP.

O montante tem vindo a aumentar de forma expressiva desde o início do ano, mas acentuou-se. Só esta semana, mais de 21,7 mil milhões — todos os títulos com maturidade a seis e sete anos — também passaram a negociar com yields negativas. O total já atingiu, assim, os 76.803 milhões de euros, contra 55.077 milhões no final de junho (ou 43,4% de todas as obrigações no mercado). No final de junho do ano passado, o montante era inferior a 18,8 mil milhões (15,43% da dívida).

No caso das obrigações a dez anos, o juro não está negativo, mas em mínimos históricos. Passou esta quarta-feira pela primeira vez a barreira dos 0,3%, apenas um dia depois de ter quebrado os 0,4%.

A presidente do IGCP, Cristina Casalinho, apontou para o reforço da confiança dos investidores em linha com as agências de rating para o decréscimo no valor pedido a Portugal para comprarem dívida não só em mercado secundário como em primário, onde Portugal se tem financiado com juros constantemente mais baixos. Em maio, o custo médio da nova dívida situou-se no mínimo histórico de 1,5%.

Se a recuperação económica e das contas públicas tem ajudado à tendência, tem sido especialmente a conjuntura externa a causar a quebra nos juros. Também a taxa de juro da dívida soberana alemã a dez anos atingiu esta quinta-feira um novo mínimo histórico negativo, igualando pela primeira vez a taxa de depósitos do Banco Central Europeu (BCE).

A yield das Bunds caiu abaixo de -0,4% colocando-se, o nível da taxa de juro exigida pelo BCE pelo dinheiro depositado pelos bancos. O presidente da instituição, Mario Draghi, garantiu no mês passado em Sintra que o BCE está pronto a avançar com estímulos monetários adicionais se o outlook económico não melhorar.

O mercado começou, desde então, a descontar um possível corte nos juros de referência. Agora que é conhecido nome da sucessora de Draghi a partir de novembro — a atual presidente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagardea expectativa que o novo mandato continue a política expansionista (e a servir de rede de segurança dos soberanos como grande comprador de dívida pública) beneficiou, nos últimos dias, os juros dos países da Zona Euro, incluindo Portugal.

Comentários ({{ total }})

Portugal já tem 60% da dívida no mercado com taxas negativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião