Wall Street corrige de recordes após feriado

Bolsas norte-americanas arrancaram o dia em baixa, apesar dos dados positivos do emprego. Analistas antecipam um corte menos agressivo nos juros por parte da Fed.

Wall Street regressou do feriado de 4 de julho em baixa, corrigindo dos sucessivos recordes que atingiu esta semana. Os números divulgados esta sexta-feira sobre o mercado do trabalho nos EUA até saíram mais sólidos do que o esperado, mas retiram margem para uma intervenção mais agressiva da Reserva Federal norte-americana.

Os três principais índices americanos encerraram quarta-feira em máximos históricos. Mas cedem na abertura da sessão de hoje a cair. O S&P 500 perde 0,42% para 2.983,37 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq e pelo industrial Dow Jones, que recuam 0,56% e 0,39%, respetivamente.

O Departamento do Trabalho norte-americano mostrou que a economia criou 224 mil postos de trabalho, o melhor registo em cinco meses, superando as estimativas dos analistas sondados pela Reuters, que tinham estimado a geração de 160 mil empregos. Foi uma boa notícia que não caiu tão bem no mercado, porque os sinais de robustez do mercado de trabalho são um indicador importante na atuação do banco central.

Os analistas acreditam que a Fed vai cortar os juros na próxima reunião de política monetária agendada para o final do mês. Mas depois deste relatório deixaram de apostar tanto numa redução de 50 pontos base. Ganha agora terreno uma descida de 25 pontos base entre os investidores.

“Ainda continua a ser mais provável um corte do juros pela Fed, mas as odds caíram um pouco”, referiu Scott Brown, economista chefe da Raymond James, à Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street corrige de recordes após feriado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião