Alemã Unicorn Workplaces escolhe Lisboa para expansão internacional

Capital portuguesa é a primeira aposta internacional da empresa alemã. Unicorn Workplaces vai abrir dois espaços em Lisboa, no Marquês de Pombal e na Avenida da Liberdade.

A alemã Unicorn Workspaces escolheu Lisboa como primeira aposta na sua expansão internacional, anunciou a empresa em comunicado. A empresa gestora de espaços de cowork arranca a internacionalização com dois espaços no centro da capital portuguesa: um no Marquês de Pombal e outro na Avenida da Liberdade, com capacidade para até 240 pessoas repartidas por 1.600 metros quadrados e soluções para empresas de várias dimensões, de startups a PME’s.

Fundada em 2015, a empresa conta já com 17 espaços de cowork na Alemanha (Berlim, Munique, Colónia e Potsdam) e começa agora a internacionalização da marca. A escolha de Lisboa surge para colmatar uma falha que a empresa detetou no mercado, uma vez que a capital portuguesa é, entre as europeias, uma das que menos espaços deste tipo tem. Segundo um estudo da Cushman & Wakefield, os espaços de coworking representam 2% do total nas maiores cidades da Europa, com Lisboa a oferecer menos de 1%.

“Portugal tem incentivos e regras muito semelhantes aos alemães no que toca a startups e o ecossistema de startups em Lisboa é geralmente muito acessível para empresas estrangeiras. Além disso, o país tornou-se num verdadeiro íman, atraindo jovens talentos e nómadas digitais altamente qualificados com novos hábitos de trabalho aos quais a Unicorn vem dar resposta”, explica Justina Kilinski, country manager da empresa para Portugal, citada em comunicado.

“Oferecemos algo que atualmente nenhum outro espaço em Lisboa oferece: um espaço de trabalho partilhado de alta qualidade de fácil acesso e serviço premium”, justifica Masoud Kamali, fundador da Unicorn e CEO da VC WestTech Ventures.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemã Unicorn Workplaces escolhe Lisboa para expansão internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião