Lista dos grandes devedores da banca chega ao Parlamento na próxima semana

Comissão de Orçamento e Finanças e Banco de Portugal está a ultimar a matriz da lista com a informação agregada e anonimizada dos grandes devedores faltosos da banca que teve apoios públicos.

Neste momento, o braço-de-ferro entre Parlamento e Banco de Portugal em relação à lista dos devedores em incumprimento prende-se “apenas” com o código a atribuir aos devedores. O supervisor entende que este código deve ser diferente de banco para banco para não ser possível a identificação do devedor. Já os deputados querem que o devedor tenha sempre o mesmo código nas diferentes instituições, isto para que todos percebam as sobreposições de um mesmo devedor nos vários bancos.

Teresa Leal Coelho ficou de transmitir a posição dos deputados à vice-governadora do Banco de Portugal, Elisa Ferreira, depois da reunião desta terça-feira da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA).

Mais: a Elisa Ferreira será sinalizada a data de 17 de julho para o envio do relatório com resumo com a informação agregada e anonimizada dos grandes devedores dos bancos que pediram apoio público nos últimos 12 anos, adiantou a presidente da COFMA. Isto porque os deputados querem ter tempo para analisar o relatório antes do fim dos trabalhos parlamentares, previsto para o final da próxima semana, dia 19.

Ou seja, a chamada lista dos devedores faltosos chegará à Assembleia da República na próxima semana. Depois disso, o Parlamento dará “luz verde” (se achar que o relatório está em conformidade com a lei) para que o Banco de Portugal publique o documento no seu site e se cumpra assim a lei 15/2019 sobre a transparência no sistema financeiro.

O caminho até chegar aqui foi polémico. O supervisor alegou que não tinha nada a publicar tendo em conta a leitura que fazia da lei. O que motivou o Parlamento a forçar a publicação do relatório.

Nas últimas semanas, COFMA e Banco de Portugal estiveram a ultimar a matriz de informação que deve figurar na tal lista dos devedores em falta. Está à vista a conclusão do diferendo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lista dos grandes devedores da banca chega ao Parlamento na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião