Mulheres até aos 30 anos ganham cada vez menos que os homens

A desigualdade salarial entre homens e mulheres em Portugal diminuiu apenas 14,6 euros em Portugal, em oito anos. Mas é cada vez maior para as mulheres até aos 30 anos e para as que têm mais de 60.

Há cada vez mais mulheres e com mais qualificações no mercado de trabalho, mas para aquelas que têm até 30 anos de idade a desigualdade salarial face ao que ganham os homens é cada vez maior, o que também acontece nas mulheres acima dos 60. Quanto mais a idade passa, maior a diferença… sempre a favor dos homens.

Desde o final de 2009, pouco antes de a crise se começar a fazer sentir com maior intensidade em Portugal, que os salários dos trabalhadores por conta de outrem em Portugal continental têm vindo a aumentar — com exceção dos anos de 2013 e 2014. E se olharmos para média do país, é possível verificar que a desigualdade salarial entre homens e mulheres também diminuiu, mas apenas 14,6 euros nos últimos oito anos.

No final de 2017, de acordo com os dados mais recentes dos Quadros de Pessoal do Ministério do Trabalho, um homem que trabalhasse por contra de outrem ganhava em média 1.236,9 euros, mais 225,9 euros que uma mulher na mesma situação. Em 2009, os homens ganhavam mais 240,5 euros que as mulheres.

No entanto, esta média esconde divergências cada vez maiores em alguns escalões etários, mesmo com o aumento do número de mulheres no mercado de trabalho — segundo o Banco de Portugal a taxa de participação das mulheres, especialmente as que têm habilitações acima do ensino superior, está cada vez mais próxima da dos homens. As mulheres que estão a entrar para o mercado de trabalho ou a estabelecer-se, desde as que têm menos de 18 anos até às que têm 30 estão cada vez mais longe de receberem o mesmo que os homens, ainda que os salários aumentem para todos.

A maior diferença é mesmo para as mulheres que começam a trabalhar antes dos 18 anos. Entre 2009 e 2017, a diferença entre o que os homens ganhavam a mais que as mulheres com menos de 18 anos passou de 40 euros para 157,3 euros.

Remuneração media mensal ganha dos homens e das mulheres em 2017

Fonte: Quadros de Pessoal do Ministério do Trabalho.

Nestas faixas etárias onde os salários são mais baixos, a desigualdade também se agravou para quem tem entre 18 e 24 anos — os homens ganhavam mais 53,2 euros em 2009 e passaram a ganhar mais 68,8 euros em 2017 — e para quem tem entre 25 e 29 anos — os homens ganhavam mais 65,8 euros por mês, e passaram a ganhar mais 100,4 euros por mês.

Mas não são apenas as mulheres em início de carreira que estão a ganhar cada vez menos que os homens. As mulheres mais perto da idade da reforma também se veem na mesma situação. Acima dos 60 anos de idade, a desigualdade salarial entre homens e mulheres volta a agravar-se.

Os homens entre os 60 e os 64 anos de idade já ganhavam mais 434,2 euros que as mulheres em 2009 e esse valor aumentou para 437,7 euros em 2017. Se entre estes a divergência, que já era grande, aumenta apenas ligeiramente, o mesmo não se pode dizer dos trabalhadores com 65 anos ou mais. Neste grupo, os homens ganhavam mais 418,8 euros em 2009 e até 2017 essa diferença aumentou em 110,8 euros, ficando muito perto dos 530 euros.

Só as mulheres entre os 30 e os 60 vêm salários aproximar-se, mas pouco

A divergência salarial entre homens e mulheres reduziu-se em média, mesmo com o aprofundamento das desigualdades que se verificam nos dois grupos etários explicados acima, porque se verificou uma aproximação entre o que ganham homens e mulheres entre os 30 e os 60 anos.

Grande parte desta ajuda para equilibrar a evolução da diferença para a média de Portugal continental deve-se aos trabalhadores por contra de outrem, com idades entre os 30 e os 34 anos. Estas pessoas que começaram as suas carreiras mais ou menos na altura que a crise começou em Portugal viram os seus salários afetados de forma pronunciada, especialmente os homens, cujos salários só cresceram 5,4 euros nestes oito anos. Já os salários das mulheres aumentaram 68,7 euros, mas sem chegar aos mil euros mensais e ainda longe dos recebidos pelos homens.

Evolução da diferença salarial entre homens e mulheres por escalão etário

Fonte: Quadros de Pessoal do Ministério do Trabalho.

Apesar da aproximação na desigualdade salário entre géneros nas pessoas com entre 30 e 60 anos, as diferenças entre os salários mensais ainda são substanciais e aumentam à medida que a idade vai aumentando, indo dos 116,2 euros de forma gradual até aos 366,3 euros.

Os valores apresentados nos Quadros de Pessoal do Ministério do Trabalho dizem respeito à remuneração média mensal ganha, que é o valor bruto pago em dinheiro e/ou géneros pago ao trabalhador com caráter regular. Isto inclui os subsídios de férias, feriados, horas extraordinárias e outras ausências pagas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mulheres até aos 30 anos ganham cada vez menos que os homens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião