PIB cresce, mas não chega. CEO da Frezite pede mais

Na atual legislatura, a economia cresceu à custa da procura interna. O pico do crescimento aconteceu em 2017, quando o PIB subiu 2,8%, o maior aumento desde o início do milénio.

A economia portuguesa cresceu em todos anos da governação de António Costa, mas nem sempre acelerou face ao ano anterior. Com o PIB a subir, o Governo beneficiou de mais receitas fiscais no Orçamento e menos despesa com prestações sociais. Mas para o CEO da Frezite, José Manuel Fernandes, a convergência com a União Europeia não está garantida: “Andamos no faz de conta”.

Depois da passagem da troika por Portugal, entre 2011 e 2014, a economia portuguesa começou a recuperar e, em 2017, conseguiu o crescimento mais alto desde o início do milénio, com o PIB a engordar 2,8%. Após este registo, a economia prepara-se para abrandar, convergindo para o crescimento potencial. O Fundo Monetário Internacional antevê uma expansão da economia de 1,5% já em 2020.

O líder de uma das maiores empresas do setor da metalomecânica acrescenta que “o crescimento resulta sempre de fatores externos e não por determinação nossa. Ou seja, Portugal cresce por um efeito de arrastamento da economia global, e não por efeito das políticas públicas adotadas“.

Apesar de as exportações terem aumentado em todos os anos da legislatura, o motor do crescimento económico foi a procura interna. Em 2018, por exemplo, a procura interna (que junta os consumos privado e público ao investimento feito pelo Estado e pelas empresas) explicou quase dois terços dos 2,1% de crescimento registado nesse ano.

E para os próximos anos a tendência não será diferente, antecipa por exemplo o Banco de Portugal, apesar de o consumo privado crescer a taxas inferiores às do investimento.

José Manuel Fernandes acrescenta que “as políticas que têm sido seguidas pelo Governo no controlo de défice são transversais à atividade económica e isto não se traduz num crescimento desafiante”. E identifica uma área onde o Estado tem de fazer mais e deixar espaço para os privados. “É necessário identificar as áreas onde vamos ativar as politicas de aposta nos centros protocolares e centros de qualificação. O Estado ainda hoje é o patrão em relação à formação profissional e qualificação, o que não dá liberdade de resposta às solicitações que a economia precisa no momento oportuno.”

Mas se, por um lado, a evolução da economia nos últimos anos tem sido um dos resultados que o Governo mais exibe, por outro, tem sido o mote para as exigências tanto dos parceiros políticos (Bloco de Esquerda, PCP e Verdes) como de grupos profissionais (como são exemplo os professores).

Evolução do PIB (valores em %)

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PIB cresce, mas não chega. CEO da Frezite pede mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião