Malta: O paraíso imobiliário dos estrangeiros para obter cidadania europeia

Os benefícios fiscais que Malta oferece estão a atrair investidores de todo o mundo que, através da compra ou do arrendamento de imóveis, conseguem obter cidadania europeia.

O mercado imobiliário de Malta está ao rubro e até é considerado um dos mais fortes do mundo, dizem os especialistas. A contribuir para esta reputação está a forte economia da ilha mas, principalmente, os benefícios fiscais oferecidos aos investidores internacionais. Atraídos por estas mais-valias, os estrangeiros adquirem casas em Malta, o que lhes permite tornarem-se cidadãos da União Europeia (UE).

Os preços das casas na ilha subiram mais de 10% no ano passado, de acordo com o Global House Price Index da Knight Frank, citado pelo The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês), uma subida que pode ser explicada pelo forte aumento da procura.

Atualmente, os estrangeiros pagam 247 mil dólares (219 mil euros) por um apartamento com dois quartos na costa sul e 505 mil dólares (448 mil euros) pelo mesmo apartamento na Golden Mile, na costa nordeste (o local mais procurado pelos estrangeiros). No caso de uma casa com quatro quartos na zona norte da ilha, esta poderá custar 4,7 milhões de dólares (4,17 milhões de euros).

Os estrangeiros procuram Malta atraídos pela economia robusta e pelo clima e estilo descontraído, mas não só. Aterram na ilha decididos a usufruir do Programa de Cidadania por Investimento (CIP), que lhes confere cidadania europeia em troca da compra de um imóvel, à semelhança do que acontece em Portugal com os Vistos Gold . De acordo com Alan Grima, CEO da Dhalia Real Estate Services, 60% dos investidores internacionais são da UE, mas há também muitos norte-americanos à procura de se tornarem cidadãos europeus.

As duas formas de obter cidadania

O Malta Individual Investor Programme (IIP) oferece aos estrangeiros duas formas de se tornarem cidadãos da UE. Uma delas é através de um investimento imobiliário mínimo de 350 mil euros — em Portugal os Vistos Gold preveem um investimento mínimo de 500 mil euros –, que prevê um IRS máximo de 35% e nenhum imposto sobre o património.

Outra forma é através do arrendamento de um imóvel, que totalize uma renda anual mínima de 16 mil euros. Contudo, a lei prevê que, tanto na compra como no arrendamento, o investidor fique com o imóvel por um prazo mínimo de cinco anos, lê-se no site Malta Immigration (conteúdo em inglês).

Antes de assinar qualquer contrato de compra de um imóvel, os investidores devem assinar um “konvenju” (promessa de venda) que prevê um depósito de 10% e um imposto de compra de 5%. Depois disso resta esperar entre três a seis meses para a compra ficar concluída. A menos que o imóvel esteja a ser construído ou seja comprado através de uma empresa comercial, os investidores internacionais apenas podem ter uma propriedade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Malta: O paraíso imobiliário dos estrangeiros para obter cidadania europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião