Investidores em Wall Street digerem contas da banca norte-americana e deixam ações inalteradas

Além da banca, também a tecnologia está em destaque. A Qualcomm dispara quase 5%, enquanto a Amazon cede 0,1%.

Wall Street abriu esta quarta-feira entre ganhos e perdas ligeiras, com o foco a manter-se nos resultados da banca. Antes da abertura da sessão foi a vez do Bank of America reportar lucros acima do acima do esperado, impulsionados pelo reforço da procura por empréstimos criado pelo crescimento económico nos EUA (o mais longo de sempre).

Tal como o Bank of America, também o JPMorgan, o Citigroup e o Wells Fargo apresentaram ao mercado resultados mais fortes que as estimativas. Ainda assim, a quebra nas margens financeiras levantou dúvidas sobre o impacto de uma descida na taxa de juro de referência da Reserva Federal norte-americana nas contas dos bancos.

O índice financeiro S&P 500 abriu a perder 0,01% para 3.003,82 pontos pontos. O Bank of America ganha 0,38% para 29,10 dólares, enquanto o JPMorgan recua 0,64% para 114,38 dólares, o Citigroup sobe 0,03% para 71,34 dólares e o Wells Fargo valoriza 0,40% para 45,48 dólares. O Morgan Stanley — que fecha a época no setor ao reportar resultados trimestrais na próxima quinta-feira — perde 0,54% para 44,19 dólares.

Entre as restantes praças norte-americanas, a abertura da sessão foi praticamente inalterada. O industrial Dow Jones cede 0,06% para 27.317,92 pontos. Já o tecnológico Nasdaq ganha 0,03% para 8.224,92 pontos, com a fabricante de chips Qualcomm a disparar 4,85% para 79,34 dólares. A Amazon, que está a ser alvo de uma investigação formal das autoridades da concorrência europeias, recua 0,1% para 2.007,90 dólares.

As ações norte-americanas têm vindo a subir desde maio (tendo atingido recentemente máximos históricos), impulsionadas pelas expectativas de que Jerome Powell torne o dinheiro mais barato. Além da política monetária, os mercados estão particularmente atentos aos desenvolvimentos da guerra comercial e as últimas notícias não foram favoráveis.

O presidente Donald Trump afirmou que as negociações com a China ainda estão longe de chegar a bom porto e ameaçou a imposição de novas taxas aduaneiras a 325 mil milhões de dólares em produtos chineses.

As matérias-primas reagem de formas opostas às declarações. O cobre recuou dos máximos de duas semanas em que negociava e perde mais de 1%. Já o petróleo segue em alta: o brent avança 1,34% para 65,25 dólares por barril e o crude WTI valoriza 1,21% para 58,32 dólares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores em Wall Street digerem contas da banca norte-americana e deixam ações inalteradas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião