E vão três. Portuguesa Wyze tem 260 scooters elétricas para partilhar em Lisboa

É uma startup portuguesa e já tem 260 scooters elétricas para partilhar nas ruas da capital. Viagens nas motas da Wyze custam menos um cêntimo por minuto do que na concorrência.

Acaba de ser lançada em Lisboa uma nova empresa de partilha de scooters elétricas. A empresa chama-se Wyze Mobility e vai concorrer com a eCooltra e com a Acciona neste mercado da economia da partilha. As primeiras 60 motas da Wyze já estão disponíveis para serem utilizadas em Lisboa, mas a empresa já tem em território português outras 200 motas na calha para serem postas a circular ao longo das próximas semanas.

O serviço funciona de forma semelhante ao da concorrência: as motas disponíveis — com “cilindrada” equivalente a 50 centímetros cúbicos — são apresentadas num mapa disponível na app da Wyze, sendo o preço cobrado de 25 cêntimos por cada minuto de utilização, menos um cêntimo do que o praticado pela concorrência. Cada mota disponibiliza dois capacetes e a empresa está a oferecer os primeiros 20 minutos de utilização aos novos utilizadores.

Tiago Silva Pereira é o empreendedor por detrás desta nova empresa, tendo recorrido a “capital pessoal e a alguma alavancagem da banca” para lançar as primeiras operações. O projeto começou a ser idealizado há dois anos, tendo o negócio arrancado oficialmente apenas no início deste mês de julho, contou, em conversa com o ECO.

“A missão é claramente oferecer um serviço de mobilidade partilhada que começa nas scooters elétricas, mas que quero que se comece a expandir”, afirmou. Apostar também na nova moda das trotinetas é uma hipótese que está a ser estudada, assim como expandir a empresa para outras cidades, como Porto e Coimbra. “A minha ambição é claramente não me cingir a serviços de mobilidade partilhada através de motas”, sublinhou, apontando para uma eventual expansão internacional no futuro.

Para rentabilizar ainda mais o investimento, a intenção é “transformar as motas em plataformas publicitárias”. A empresa quer pôr publicidade nos veículos, tornando-os numa espécie de anúncio ambulante. “Temos uma parceria com a Galp. A Galp vai estar presente nas nossas motas e nos nossos capacetes”, revelou.

Atualmente, a Wyze Mobility empresa sete pessoas e quer contratar “mais gente” para a área logística. Como fornecedores principais, a startup recorre a tecnologia que está a ser desenvolvida pela GoWithFlow, uma empresa que comercializa a tecnologia do CEiiA, o conhecido centro tecnológico de Matosinhos. As motas são da marca alemã Unu.

As motas da Wyze têm “cilindrada” equivalente a 50 centímetros cúbicos.Wyze Mobility

Viagens vão dar minutos grátis e uma moeda virtual

Tiago Silva Pereira viu uma oportunidade de negócio numa alternativa mais amiga do ambiente. Agora, o objetivo é “capitalizar fortemente” o conceito de pegada ecológica. “Acumulamos créditos em função disso”, explicou. “Cada viagem que for feita vai gerar uma poupança de CO2 [que não é emitido] e que vai ter uma conversão direta em moeda virtual”, acrescentou.

Como tal, a empresa quer usar a nova plataforma Ayr, desenvolvida pelo CEiiA, que é uma espécie de moeda virtual que vai poder ser transacionada, explicou: “Cada quilograma de CO2 [dióxido de carbono, um gás com efeito de estufa] equivale a 10 ayr, que podem ser convertidos em minutos grátis”, indicou. Tudo para “contribuir de forma decisiva para a descarbonização do ambiente”.

Questionado sobre se a empresa obteve uma autorização da Câmara Municipal de Lisboa para operar, Tiago Silva Pereira disse que a empresa “não precisa de nenhuma autorização” da autarquia. Mas garantiu que todo o trabalho tem sido feito com o conhecimento do município, através do gabinete do vereador da mobilidade, Miguel Gaspar, informação confirmada pelo ECO junto da assessoria do autarca.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E vão três. Portuguesa Wyze tem 260 scooters elétricas para partilhar em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião