Motoristas “curiosos para ver se Governo vai fraquejar” perante ANTRAM e petrolíferas

Patrões e camionistas já debatem serviços mínimos. Para ANTRAM, assegurar o "direito constitucional" a férias obrigará a pelo menos 75% de mínimos. "Isso são serviços máximos", diz sindicato.

Os representantes da ANTRAM e dos sindicatos de motoristas que convocaram greve por tempo indeterminado a partir de 12 de agosto encontram-se esta manhã a negociar que serviços mínimos terão de ser assegurados durante a paralisação, sendo que para os sindicatos estes não devem ir além dos 25%, tal como propõem, enquanto para a associação que representa as empresas de transporte deverá procurar-se garantir pelo menos 75% do trabalho que estes motoristas realizam diariamente.

“É preciso rever os serviços mínimos. Na última greve foram de 40% e a paralisação parou o país. Sugerir agora 25% não faz sentido. A ANTRAM vai propor ao Governo a definição de serviços mínimos superiores, para que se assegure o direito constitucional dos portugueses a irem de férias“, apontou André de Almeida, representante da ANTRAM nas negociações, à entrada das instalações do Ministério do Trabalho.

“Há que garantir que hospitais, aeroportos e outros serviços básicos para os portugueses estejam de alguma forma garantidos e que alguns destes serviços tenham 100% de trabalhadores”, reforçou.

Já do lado dos sindicatos, Pedro Pardal Henriques voltou a centrar baterias no Governo. “A nossa proposta é de 25%, mas estamos na expectativa de ver o que vai o Governo transmitir aos portugueses. Se forem definidos mais de 40% de mínimos significa que o Governo está a ser conivente com a ANTRAM e a transmitir aos portugueses que não está preocupado com os motoristas, mas sim em cumprir com a vontade das empresas e ANTRAM”, atirou à entrada para a reunião.

Sobre a proposta apresentada em conjunto com o pré-aviso de greve, de serviços mínimos de 25%, Pardal Henriques salientou que a sugestão é até mais alargada do que aconteceu na última greve, já que os 40% de serviços “foram assegurados apenas para Lisboa e Porto”, recordou. Admitiu, porém, que há serviços que devem ser assegurados a 100% durante a paralisação, como todos os relacionados com proteção civil, bombeiros ou ambulâncias.

Quanto à intenção manifestada pela ANTRAM de conseguir serviços mínimos na ordem dos 70%, Pardal Henriques disse que tal proposta “são serviços máximos”.

Caso as partes não cheguem a um entendimento, caberá aos ministérios do Trabalho e das Infraestruturas definir, através de despacho conjunto, os serviços mínimos que deverão ser assegurados durante a paralisação. E será neste ponto que os sindicatos irão retirar a interpretação da postura do Governo em todo este processo.

“Estamos curiosos para ver se o Governo vai fraquejar e mostrar se a sua aliança com a ANTRAM e as petrolíferas é mais forte do que aquilo que é a razão e a justiça”, disse Pardal Henriques.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Motoristas “curiosos para ver se Governo vai fraquejar” perante ANTRAM e petrolíferas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião