Mobilidade partilhada em Lisboa já vale 50 milhões, “mais que o metro do Porto”

  • Lusa
  • 26 Julho 2019

Mobilidade partilhada na capital "já vale mais do que o metro do Porto, já vale mais do que a STCP”, diz Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa.

O vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa, Miguel Gaspar, revelou que o mercado dos modos partilhados de transporte, como bicicletas, trotinetas ou “carsharing”, “vale mais de 50 milhões de euros”.

“Este é um mercado na cidade de Lisboa que já vale mais de 50 milhões de euros, já vale mais do que o metro do Porto, já vale mais do que a STCP”, disse Miguel Gaspar, durante a conferência Mobilidade Partilhada, Oportunidades e Desafios, organizada pela Transportes em Revista, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, e que decorre no cinema São Jorge.

Atualmente, na cidade de Lisboa, e segundo dados revelados pelo vereador, são já 17 operadores, entre trotinetas, bicicletas, motos e automóveis partilhados, que geram cerca de “30 mil viagens/dia”, estimando-se que o número de utilizadores ascenda aos 400 mil.

Segundo Miguel Gaspar, o negócio destes novos meios de mobilidade na cidade de Lisboa, como alternativa ao automóvel particular, “é difícil”, considerando que ainda há alguns operadores que “estão a perder dinheiro, enquanto outros já estão bastante bem”.

O vereador da Mobilidade salientou ainda que os novos meios só se implantam na cidade e servem as pessoas se “todos trabalharem juntos” para que todas as “restrições que a cidade coloca” sejam ultrapassadas e para que “haja um melhor espaço público” para todos.

Miguel Gaspar frisou que para que tudo funcione na perfeição “é essencial cumprir a lei”, salientando que Portugal “é dos países mais avançados” neste campo, nomeadamente do Código da Estrada e da lei do “carsharing”.

Segundo o vereador, a cidade de Lisboa, que “durante anos esteve voltada para o automóvel particular”, está agora a ser adaptada e desenhada para os peões, para as pessoas, e também agora para estas novas formas de mobilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mobilidade partilhada em Lisboa já vale 50 milhões, “mais que o metro do Porto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião