“As pessoas estão a entrar em pânico”. Associação Nacional de Municípios contra decisão de Mafra de limitar combustível

Manuel Machado diz que a decisão da Câmara de Mafra limitar o abastecimento de combustível a 25 litros "é preocupante" e frisa que "há órgãos do Estado para tomar esse tipo de decisões".

Manuel Machado garante que a decisão da Câmara Municipal de Mafra de limitar o abastecimento de combustível a 25 litros, antes mesmo de o Governo ter decretado o alerta energético, não passou pela Associação Nacional de Municípios. O presidente da ANMP sublinha que vê “com preocupação” atitudes deste tipo.

“Vejo com preocupação atitudes deste tipo, porque podem gerar um efeito pernicioso”, disse ao ECO, Manuel Machado. O responsável lembra ainda que “existem órgãos do Estado para tomar decisões desse tipo, que não são as autarquias”. O presidente da ANMP fazia assim referência à necessidade de o Executivo decretar o alerta energético para que, por exemplo, a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) e o limite de abastecimento de 15 litros por veículo. entrem em vigor.

Vejo com preocupação atitudes deste tipo, porque pode gerar um efeito pernicioso.

Manuel Machado

Presidente da ANMP

Ora, o ministro do Ambiente, Pedro Matos Fernandes, na quarta-feira disse apenas que “o Governo está em condições de decretar o alerta energético”, um passo que ainda não terá sido efetivamente dado. Por isso, Manuel Machado critica a decisão de Mafra.

A Câmara liderada pelo social democrata, Hélder Sousa Silva, decidiu a partir das 17h00 de quarta-feira impor limites ao abastecimento de combustível no município: cada viatura ligeira só pode ser abastecida com 25 litros de gasolina ou gasóleo. Já os pesados estão limitados a 100 litros de gasolina ou gasóleo simples e ainda 100 litros de gasóleo agrícola. Além disso, também foi limitada a venda de combustível em jerricãs.

Estas restrições foram impostas a quatro dias do início da greve dos motoristas, agendada para 12 de agosto, e numa altura em que as filas para abastecer nas gasolineiras já se estão a formar e em que já há postos com rutura de combustível ou perto de atingirem essa situação.

Manuel Machado sublinha que “as pessoas estão a entrar em pânico” e relata que, esta manhã de quinta-feira, se deparou com uma pessoa a encher um garrafão de água de cinco litro com combustível. Algo que é totalmente proibido, já que o transporte de combustíveis apenas pode ser feito em jerricãs. “Vi esta situação e o que posso fazer? Não posso ir lá aplicar nenhuma multa”, diz, fazendo o paralelismo com a Câmara de Mafra que, diz, não tem poderes para aplicar uma limitação no consumo de combustível.

O presidente da ANMP frisou ainda que “a greve é um direito e que os seus efeitos se devem sentir” e que “o Estado agiliza os meios essenciais” para através da definição de serviços mínimos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“As pessoas estão a entrar em pânico”. Associação Nacional de Municípios contra decisão de Mafra de limitar combustível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião