Antram e Fectrans chegam a acordo. Salário dos motoristas sobe “mínimo” de 120 euros

Os patrões e a Fectrans alcançaram um acordo que prevê aumentos mínimos de 120 euros no salário global dos motoristas. Mas a Antram continua a rejeitar negociar com os sindicatos em greve.

A Antram e a Fectrans chegaram a um acordo para um novo contrato coletivo de trabalho dos motoristas. O acordo foi assinado esta quarta-feira à noite pela federação sindical e pela associação patronal, na presença do Governo.

De acordo com José Manuel Oliveira, coordenador da Fectrans, o “conjunto das rubricas” do salário dos motoristas deverá crescer um mínimo de 120 euros, “partindo do valor que foi acordado a 17 de maio”. É ainda um acordo que “tenta melhorar as condições de trabalho” dos motoristas.

Sem comentar a greve marcada por dois sindicatos e que dura desde segunda-feira, o sindicalista afirmou que este acordo resulta da “teimosia de quem achou que a luta, neste momento, se deve fazer à mesa das negociações”. A Fectrans não aderiu à greve dos motoristas, que começou na meia-noite de segunda-feira.

Revisão vai exigir “muito sacrifício” às empresas

À saída do Ministério das Infraestruturas, Pedro Colónia, da Antram, congratulou o acordo alcançado com a Fectrans, que disse ser “o principal sindicato do nosso país no que toca a esta área do transporte de mercadorias”. “Achamos que é algo muito relevante para um setor que está a passar dias difíceis”, afirmou.

“Sabemos que fomos muito longe nesta negociação. Vai ser com muito sacrifício que os nossos associados vão suportar esta revisão”, sublinhou o responsável da associação que representa os patrões, apesar de salientar que a associação não foi “além daquilo que é a sobrevivência das empresas”.

Pedro Colónia aproveitou também para criticar os dois sindicatos que avançaram para a greve, que perdura desde segunda-feira, garantindo que estão a ir além do princípio de acordo assinado a 17 de maio. “O protocolo de 17 de maio, como podem constatar, foi cumprido hoje aqui”, atirou o responsável, que rematou que “as razões da greve vão para além do que está definido no protocolo”.

Costa: “Imperou bom senso e diálogo”

O primeiro-ministro, António Costa, recorreu ao Twitter para enaltecer o acordo. “Saúdo vivamente o acordo alcançado entre a Fectrans e a Antram. Neste caso, imperou o bom senso e o diálogo. Conciliou-se o respeito pelos direitos dos trabalhadores e os interesses das empresas, possibilitando negociar sem confrontação”, considerou o líder do Governo. “Que seja um exemplo seguido por todos”, conclui.

Também o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, reagiu à assinatura do acordo. “Este foi um momento muito importante. Assistimos à assinatura de um acordo que representa vitórias importantes, melhorias importantes dos motoristas. A dignificação da profissão de motoristas. Mas que garante também estabilidade e competitividade às empresas”, disse o governante.

“É um acordo muito importante para todos os motoristas e para todas as empresas de transportes. O Governo acompanhou este processo e disponibilizou-se sempre para ajudar”, referiu Pedro Nuno Santos, em declarações transmitidas pela SIC Notícias esta quarta-feira à noite.

O ministro reiterou ainda a dedicação em criar as condições para o fim da greve em curso, “o mais depressa possível”. “Continuamos a trabalhar para conseguir que, através da negociação, se possa cancelar esta greve. O Governo foi tomando todas as medidas para que os impactos desta greve sejam os menores possíveis”, afirmou. “Continuamos a apelar a que os dois sindicatos possam cancelar a greve”, concluiu.

Antram desconhece “desafio” de Pardal Henriques

O acordo alcançado na noite desta quarta-feira não significa, necessariamente, o fim da greve. Isto porque a paralisação é da responsabilidade do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), este último representado pelo advogado Pedro Pardal Henriques. O mesmo advogado que, durante a tarde desta quarta-feira, desafiou a Antram para uma reunião na quinta-feira, por volta das 15h00, na Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

A grande incógnita da noite era se a Antram iria aceitar ou não o “desafio” do controverso advogado, que tem sido o líder de facto da paralisação que está a ameaçar o funcionamento da economia. Questionado sobre a posição da associação, Pedro Colónia, vice-presidente da Antram, disse desconhecer o desafio. “Não conhecemos”, afirmou, após o anúncio do acordo assinado com a Fectrans.

“Não reunimos, não podemos reunir, com a espada sobre a cabeça. Não podemos negociar dessa forma. Com quem não nos coloca dessa forma, nós negociamos”, apontou o responsável, criticando o SNMMP por estar a promover “uma clivagem muito forte entre empregadores e trabalhadores”. “Pedíamos aos trabalhadores que levantassem a greve”, apelou o responsável da Antram.

Motoristas de matérias perigosas mantêm greve

Apesar do acordo assinado entre a Antram e a Fectrans, o sindicado dos motoristas de matérias perigosas não vai pôr fim à greve. A partir de Aveiras de Cima, o representante desses trabalhadores, Pedro Pardal Henriques, considerou-o “um acordo celebrado à pressa, com o alto patrocínio do Governo”.

Questionado se o sindicato iria aceitar as condições acordadas, Pardal Henriques disse que “obviamente que não”. “Não foi isto que a Antram assinou para desconvocar a greve em maio”, repetiu, uma ideia que já tinha sido desmentida pela associação.

“Mais uma vez, o Governo vem mostrar uma posição de força para bloquear o direito à greve. Quem está do lado do Governo, é apoiado com pompa e circunstância. Aquele ditado de quem se mete com o PS, leva… é o que tem acontecido”, concluiu o advogado. Portugal caminha, desta forma, para aquele que será o quarto dia de greve, com perturbações esperadas no abastecimento de combustíveis em todo o país.

(Notícia atualizada às 23h43 com mais informações)

Comentários ({{ total }})

Antram e Fectrans chegam a acordo. Salário dos motoristas sobe “mínimo” de 120 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião