Wall Street volta ao modo de espera. Retalhista renova dúvidas sobre economia dos EUA

Após três sessões de ganhos, as principais praças norte-americanas abriram esta terça-feira em terreno negativo. Além dos resultados, os investidores esperam novos sinais da Fed.

Wall Street abriu com perdas ligeiras, quebrando uma série de três sessões em alta. As contas das retalhistas relançaram dúvidas sobre a saúde do consumo privado nos EUA, numa altura em que os receios de uma recessão económica a nível global tem sido uma das grandes preocupações.

Após o início do mês ter sido de fortes perdas devido às tensões entre EUA e China, os três principais índices recuperaram de forma expressiva, com as perspetivas de um acordo entre os países.

Hoje parece um dia de digestão dos ganhos recentes e não há muitas notícias que possam fazer o mercado mexer amplamente em nenhuma das direções“, explicou Aaron Clark, gestor de portefólio da GW&K Investment Management, em declarações à Reuters.

O índice industrial Dow Jones abriu a deslizar 0,03% para 26.127,60 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 recua 0,16% para 2.919,08 pontos e o tecnológico Dow Jones cede 0,16% para 7.989,75 pontos.

Em fase de correção, as bolsas focaram o corte no outlook para este ano da Home Depot, que apontou para o potencial impacto da guerra comercial no consumo. O profit warning está a ter destaque especialmente devido aos receios de desaceleração económica.

Em simultâneo, os investidores estão em modo de espera por novidades da Reserva Federal norte-americana. O banco central vai divulgar na quarta-feira as minutas da última reunião de política monetária, na qual cortou os juros de referência pela primeira vez desde 2008. Dois dias depois, o presidente da Fed Jerome Powell vai discursar no encontro de banqueiros centrais Jackson Hole.

Nas duas ocasiões, os investidores irão procurar pistas sobre até que ponto a Fed está preparada para fazer novos cortes nos juros em reação à desaceleração económica e à inversão na curva de yields dos EUA, que aconteceu na semana passada. As Treasuries a dez anos negoceiam esta terça-feira com uma yield em 1,54%, enquanto os títulos a dois anos têm um juro de 1,498%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street volta ao modo de espera. Retalhista renova dúvidas sobre economia dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião