Programa Revive adjudica Convento do Carmo

  • ECO
  • 21 Agosto 2019

A gestora do Convento do Espinheiro vai ficar com a concessão do Convento do Carmo, em Moura. Vai investir 6 milhões de euros para a construção de um hotel de quatro estrelas, com cerca de 50 quartos.

Negócio fechado. O Convento do Carmo, em Moura, tornou-se no nono imóvel adjudicado ao abrigo do Programa Revive. A empresa vencedora do concurso público foi a gestora do Convento do Espinheiro (SPPTH— Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros), que pretende recuperar o imóvel e transformá-lo num hotel.

A ideia é transformar o Convento do Carmo num hotel de 4 estrelas com cerca de 50 quartos com um “investimento estimado em cerca de 6 milhões de euros“, refere a nota do gabinete do ministro Adjunto e da Economia. O Hotel tem abertura prevista para 2020.

O Convento do Carmo foi construído em 1251 e foi a partir deste Convento que saíram os monges que fundaram o Convento do Carmo, em Lisboa. Situado no centro histórico de Moura, sofreu alterações profundas no século XVI, “tendo sido construída nessa altura a igreja, os claustros e as capelas”, explica a nota do Governo. Desde 1944 que o claustro do Convento está classificado como imóvel de interesse público. O Hotel será concessionado durante 50 anos “para fins turísticos”.

Este é o nono concurso a ser concluído, sendo que “até ao momento foram lançados 18 concursos no âmbito do programa Revive“. Este programa pretende valorizar e recuperar o património sem uso e reforçar o desenvolvimento daquelas regiões. De acordo com a mesma nota, os próximos concursos a serem lançados serão relativos ao Mosteiro de Travanca (Amarante), Santuário do Cabo Espichel (Sesimbra) e Forte da Barra de Aveiro (Ílhavo). Atualmente estão abertos os concursos para a concessão do Mosteiro de Lorvão (Penacova), do Castelo de Vila Nova da Cerveira e do Forte da Ínsua, em Caminha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa Revive adjudica Convento do Carmo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião