Sinais de burnout? Esta linha telefónica de apoio pode ajudar

A Team24, um projeto para promover o bem-estar das organizações, lançou em 2017 a Assistência Psicológica Telefónica. O serviço tem um custo médio anual de 20 euros por colaborador.

Um em cada dez portugueses sofrem de burnout, o síndrome de esgotamento profissional. Esta doença tem impacto na vida dos trabalhadores e, a longo prazo, no saldo da empresa. Foi a pensar em promover a saúde mental nas organizações que a Clínica da Mente criou o Team24. Neste projeto está incluído uma linha de apoio telefónico – a Assistência Psicológica Telefónica. O projeto foi lançado em 2017 com o objetivo de prestar apoio aos colaboradores, de forma fácil e confidencial.

A linha de apoio telefónico para colaboradores é “um serviço contratado pela empresa como um benefício extra salarial, para aumentar o salário emocional”, explica Ana Ruivo, gestora de projeto da Team24. As empresas podem contratar este serviço por um ano, renovável, e por um custo médio anual de 20 euros por colaborador.

A partir desse dia, todos os colaboradores têm acesso a um número de telefone, com atendimento disponível das 9h00 às 20h00 e todos os dias úteis. Do outro lado do telefone estão terapeutas e psicólogos que, em casos mais difíceis, podem encaminhar para consultas presenciais na Clínica da Mente. As razões mais comuns para estes pedidos de ajuda são “stress, ansiedade, insónia”, revela Ana Ruivo, exatamente alguns dos sintomas da doença burnout.

Uma das vantagens deste serviço é ser anónimo e confidencial, podendo ser usado durante as pausas, ou fora do horário do trabalho. Apesar disso, há algum medo de represálias por parte dos colaboradores. “As pessoas não verbalizam, têm vergonha e, apesar de ser completamente confidencial e anónimo, acham que de alguma maneira a entidade patronal vai saber quem são”, explica Ana Ruivo.


Avaliação de riscos psicossociais, o serviço mais procurado na Team24

Desde a sua existência, o serviço mais procurado pelos gestores financeiros e de R&H na Team 24 é o inquérito online e anónimo de “Avaliação dos Riscos Psicossociais”. Isto acontece “porque é uma porta de entrada. Depois de verem os resultados já pensam duas vezes”, sublinha Ana Ruivo. Trata-se de um teste, no qual se avaliam todos os fatores de risco para a saúde mental do colaborador (insónia, ansiedade, burnout, relação com chefias, com colegas).

Esta avaliação custa 250 euros, e a Team24 não faz distinção entre empresas. O preço será o mesmo para empresa com 50 ou com 5.000 colaboradores, garante a gestora.

Seguro de Saúde Mental, um serviço que nunca foi contratado

É o único serviço da Team24 que nunca foi contratado. Este “pacote” de cuidados e prevenção da saúde mental dos colaboradores inclui uma avaliação psicológica inicial, o serviço da Assistência Psicológica Telefónica, até 10 consultas de psicoterapia por ano, o Serviço de Emergência Psicológico (em caso de catástrofe ou acidentes de trabalho) e ainda um happiness manager, um psicólogo organizacional que faz a mediação entre a empresa e a Team24. Este serviço custará à empresa cerca de 200 euros por ano, por cada colaborador.

No futuro, o maior desafio é explicar aos gestores de recursos humanos e líderes que as vantagens de cuidar da saúde mental dos colaboradores são reais. Estima-se que o burnout custe às empresas cerca de 329 milhões de euros, ao mesmo tempo que se calcula que, por cada euro investido em programas de prevenção de saúde mental, se consiga ter um retorno de quatro.

De acordo com a Associação Portuguesa de Psicologia da Saúde Ocupacional, em 2016, 13,7% das pessoas ativas em Portugal estavam em estado de burnout e o risco tem vindo a aumentar. A Clínica da Mente existe há 10 anos em Portugal e quer “lutar contra o estigma da saúde mental”, reforça a gestora.

Apesar da pouca procura deste tipo de serviços por parte das empresas, o bem-estar dos colaboradores tem subido posições na lista de prioridades, revelava em abril o estudo Global Talent Trends 2019, da consultora Mercer.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sinais de burnout? Esta linha telefónica de apoio pode ajudar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião