Elogios do FT? “O jornalista está longe de Portugal e não tem conhecimento do nosso quotidiano”, diz Rui Rio

Presidente do PSD diz que quem escreveu o artigo do FT, onde se elogia o bom desempenho de Portugal, "está longe" do país e "não tem conhecimento do quotidiano".

O presidente do PSD, Rui Rio, rejeita o tom elogioso do Financial Times em relação a Portugal, dizendo que é a opinião que quem não conhece a realidade portuguesa e adiantando que o jornal britânico teria outra opinião se soubesse que o défice externo, mais importante do que o défice orçamental, está a aumentar novamente.

“É a opinião de alguém que até está longe. É a opinião desse jornalista, está longe da Europa e particularmente está longe de Portugal e não tem conhecimento do que é o quotidiano aqui“, começou por dizer Rui Rio em declarações transmitidas, esta segunda-feira, pela RTP 3, depois de questionado sobre o editorial publicado este domingo pelo FT (acesso pago, conteúdo em inglês) com o título “Perspetivas brilhantes para Portugal oferecem à Europa alguma esperança”.

O jornalista do FT, prosseguiu Rui Rio, “vê os números e diz: ‘Olha, o défice baixou’. Fica contente, acha que o défice baixou. A taxa de desemprego também baixou, mas é preciso ir ver essas coisas. A taxa de desemprego baixou, é verdade. Pois, então, se a economia internacional cresce, se a economia portuguesa quando este governo tomou conta da governação estava razoavelmente estabilizada por força do período negro que tivemos da troika e que não foi da responsabilidade do PSD, mas também foi da responsabilidade do PS, naturalmente que esses indicadores acabam por melhorar”, declarou o dirigente social-democrata.

“Agora, que emprego é que nós criamos? Críamos emprego relativamente precário e fundamentalmente emprego de baixos salários”, acrescentou de seguida.

Rio explicou depois que para se ter melhores empregos com salários mais elevados “é preciso modificar completamente o modelo de crescimento da economia portuguesa”, o qual “tem de assentar em exportações e tem de assentar em investimento”.

"É a opinião de alguém que até está longe. É a opinião desse jornalista, está longe da Europa e particularmente está longe de Portugal e não tem conhecimento do que é o quotidiano aqui.”

Rui Rio

Presidente do PSD

Não isto é o que está a acontecer, na opinião do presidente do PSD. “Estamos num patamar em que é o consumo que já está a puxar pelo crescimento da economia. O que é que isto dá? Dá um défice na balança de pagamentos. O défice externo português já aumentou outra vez. Tinha sido eliminado, estávamos com excedente e agora o défice aumentou. Isto quer dizer que o endividamento de Portugal face ao exterior está a aumentar. Esse endividamento externo de Portugal face ao exterior foi aquilo que há uns anos determinou a falência”, disse.

Esse desequilíbrio é tão ou mais importante, no sentido negativo, do que o equilíbrio do orçamento do Estado português”, notou Rui Rio.

Para Rio, “o défice mais grave que temos é o défice externo, é esse que temos de eliminar”. “Já foi eliminado, mas está a aumentar outra vez. Se quiser dizer estas coisas ao homem ou mulher do Financial Times talvez mudem de opinião”, declarou o líder do PSD.

Num editorial publicado este domingo, o FT referiu que de bom se passa em Portugal é um mix de “escolhas políticas acertadas” e “uma boa dose de sorte” e que António Costa “tem razões para estar mais otimista do que muitos outros líderes europeus”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elogios do FT? “O jornalista está longe de Portugal e não tem conhecimento do nosso quotidiano”, diz Rui Rio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião