Indicador que antecipa recessão nos EUA agrava-se e os investidores tremem

O agravamento dos juros de curto prazo face aos de longo prazo da dívida norte-americana antecipou todas as recessões nos últimos 50 anos. Esta terça-feira, atingiu níveis que não se viam desde 2007.

A inversão da curva de rendimentos dos Estados Unidos, que tem colocado os juros a pagar pela dívida a dois anos em níveis superiores à da dívida a 30 anos, está a agravar-se e a aumentar os receios dos investidores que uma recessão pode estar a chegar. Nos últimos 50 anos, sempre que houve uma recessão esta inversão aconteceu.

Normalmente, os juros exigidos para comprar dívida de curto prazo são menores que pela dívida a longo prazo, o que reflete o risco mais elevado de emprestar dinheiro a um prazo mais longo.

No entanto, quando os receios quanto à situação económica no curto prazo aumentam, os juros também sobem com esse sentimento. Nos Estados Unidos, a inversão da curva de rendimentos tem sido um dos indicadores que permitem antecipar uma recessão ou um abrandamento económico. Nos últimos 50 anos, sempre que houve uma recessão, a curva de rendimentos sofreu esta inversão e só por uma vez a curva inverteu sem a economia entrar em recessão.

Esta terça-feira, a dimensão desta inversão agravou-se, atingindo níveis que não se viam desde 2007, o ano que antecedeu a queda do Lehman Brothers e a recessão que se viria a sentir no mundo desenvolvido e em algumas economias emergentes.

O pessimismo atingiu os mercados e os ganhos iniciais, ainda que moderados, que se verificam nos principais índices da Bolsa de Nova Iorque acabariam por desaparecer.

Apesar de ser um sinal de que os próximos tempos podem não ser fáceis, desta vez há fatores que influenciam os juros da dívida de mais longo prazo que não existiam em 2007, como é o caso do quantitative easing. As compras de dívida feitas pela Reserva Federal focaram-se essencialmente na dívida de mais longo prazo, dando uma liquidez adicional ao mercado e assim permitindo baixar os juros nestas obrigações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indicador que antecipa recessão nos EUA agrava-se e os investidores tremem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião