OCDE diz que sistema de pensões português é “bom exemplo” de equilíbrio entre equidade e sustentabilidade

A OCDE considera que Portugal é um "bom exemplo" de como equilibrar os objetivos de equidade entre pensionistas com as metas de sustentabilidade financeira do sistema de pensões.

O sistema de pensões português é um “bom exemplo”de como é possível equilibrar os objetivos de equidade entre beneficiários com as metas de sustentabilidade financeira. Quem o diz é a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que explica que, se todos os países adotassem modelos semelhantes ao lusitano até 2020, a taxa de emprego dos trabalhadores mais velhos subiria, puxando pelo PIB per capita e, consequentemente, aliviando o stress das finanças públicas.

“Portugal, em particular, é um bom exemplo de como os governos podem chegar a um equilíbrio entre os objetivos de equidade e a necessidade de assegurar a sustentabilidade financeira do sistema de pensões“, elogia a organização liderada por José Ángel Gurría, no relatório “Working Better With Age”, que foi divulgado esta sexta-feira.

“Se todos os países da OCDE adotassem uma abordagem semelhante [à portuguesa] até 2020 (à exceção daqueles que têm, atualmente, legisladas subidas da idade da reforma ainda maiores), a taxa de emprego dos trabalhadores mais velhos e o PIB per capita a longo prazo subiriam, aliviando o stress das finanças públicas“, defende-se, no mesmo estudo.

A OCDE deixa esta nota sobre o sistema português no capítulo dedicado à equidade entre pensionistas a nível socioeconómico. De acordo com o relatório, os pensionistas com rendimentos mais elevados tendem a ter vidas mais longas do que aqueles que têm rendimentos mais modestos, gozando, portanto, durante mais tempo das prestações sociais em causa. “Aumentar a idade da reforma pode, por isso, exacerbar as desigualdades socioeconómicas“, alerta a organização.

É neste contexto que a OCDE recomenda a adoção de políticas dedicadas à redução das diferenças socioeconómicas no que diz respeito aos cuidados de saúde permitindo, assim, equilibrar a esperança média de vida entre aqueles com mais rendimentos e aqueles com menos rendimentos. Além disso, a organização diz ser necessário tomar em consideração estas diferenças, nomeadamente na definição da fórmula de cálculo das pensões, como acontece em Portugal, país em que a taxa de formação é mais elevada para os beneficiários com rendimentos mais baixos.

De notar que, atualmente, a taxa de formação da pensão — que fixa a percentagem de ganhos anuais a considerar para o cálculo da prestação em causa — é de 2,1% para quem tem mais de 20 anos de contribuições e rendimentos entre entre quatro e oito vezes o Indexante de Apoios Sociais (ou seja, entre 1.743 euros e 3.486 euros), enquanto para os rendimentos acima de 3.486 euros é de 2%. Nos escalões de rendimentos mais baixos, varia entre 2,3% e 2,2%.

É esse modelo — bem como a indexação da idade da reforma à esperança média de vida aos 65 anos e o regime das pensões antecipadas das carreiras muito longas — que leva a OCDE a elogiar o sistema português, identificando três vantagens na estratégia adotada por terras lusitanas: por um lado, a indexação referida dispensa a criação recorrente de políticas para dar resposta à evolução demográfica; por outro, essa indexação mantém o rácio constante entre a vida ativa e os anos passados na reforma; e por outro, o regime das longas carreiras é um “elemento progressivo” que beneficia os trabalhadores com desvantagens económicas.

Esta posição da OCDE contraria aquela tomada, em julho, pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que afirmou que o sistema de pensões português faz pouco por corrigir as desigualdades de rendimentos entre idosos. Ainda que tivesse elogiado a indexação da idade da reforma à esperança média de vida e as oportunidades de antecipação da reforma oferecidas aos pensionistas com longas carreiras, o FMI insistiu que é preciso aumentar a equidade, nomeadamente através de alterações ao nível da taxa de formação da pensão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE diz que sistema de pensões português é “bom exemplo” de equilíbrio entre equidade e sustentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião