Trabalhadores do Novo Banco surpreendidos com mais 310 rescisões. Dizem que só falta cortar 84 postos de trabalho

Comissão de trabalhadores do Novo Banco diz que só faltam reduzir 84 postos no banco para atingir metas acordadas com Bruxelas e questiona por isso o "porquê" da autorização para cortar mais 310.

Os trabalhadores do Novo Banco estão surpreendidos com o facto de o Governo ter autorizado o banco a rescindir com mais 310 funcionários até final de 2021. Dizem que só falta reduzir 84 postos de trabalho na instituição para atingir as metas acordadas com Bruxelas e por isso questionam: “Porquê a autorização para reduzir 310? Porquê ir além dos objetivos?”

O semanário Expresso revelou este fim de semana que o Executivo deu luz verde ao Novo Banco para rescindir com mais trabalhadores do que legalmente permitido até final de 2021, ano em que termina o plano de reestruturação aprovado pela DG-Comp, a autoridade de concorrência europeia. Segundo a legislação, as empresas que tenham mais de 250 trabalhadores — o caso do Novo Banco — têm como limite máximo cessar contratos com 80 trabalhadores a cada três anos. Mas com a exceção dada pelo Ministério do Trabalho, o banco liderado por António Ramalho vai poder rescindir com mais de três centenas de funcionários.

Em comunicado divulgado esta segunda-feira, a comissão de trabalhadores do Novo Banco (CTNB) lamenta ter sido excluída deste processo, isto apesar de ter solicitado que lhe fosse dado conhecimento da evolução do dossiê. Até à presente data não obtivemos qualquer resposta, pelo que desmentimos e refutamos qualquer envolvência da Comissão de Trabalhadores neste processo“, diz a comissão coordenada por Rui Geraldes.

A CTNB lembra ainda que o plano negociado entre o Estado e a DG-Comp aponta para que o Grupo Novo Banco, e até 2021, tenha de reduzir os seus balcões em 75 — “objetivo já cumprido” — e reduzir o número de trabalhadores para 4.909. Assim, e considerando que “o Grupo Novo Banco encerrou o primeiro semestre do corrente ano com 4.993, pelo que faltarão reduzir 84 trabalhadores para atingir esse objetivo”, a comissão de trabalhadores levanta duas questões : Porquê autorização para reduzir 310? Porquê ir para além dos objetivos impostos?”

A comissão de trabalhadores do Novo Banco lembra ainda no comunicado que “tem sido um parceiro responsável no Novo Banco” e reafirma manter-se “disponível para dialogar e negociar condições condignas, privilegiando em primeiro lugar o processo de reformas antecipadas”. Ainda assim, assegura que ficará bastante atenta ao evoluir da situação laboral no banco, especialmente no que toca à nova autorização para cortar mais 310 postos de trabalho.

“Deixamos a nossa garantia de que iremos pugnar para que o processo decorra com transparência, sem pressões sobre os trabalhadores e que seja um processo de adesão voluntária”, indica a comissão de trabalhadores do Novo Banco.

O Novo Banco fechou o primeiro semestre com prejuízos de 400 milhões de euros, e prevê pedir ao Fundo de Resolução 540 milhões de euros no âmbito do mecanismo de capital contingente criado aquando da venda da instituição ao fundo norte-americano Lone Star.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores do Novo Banco surpreendidos com mais 310 rescisões. Dizem que só falta cortar 84 postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião