Rui Rio admite que poderia “ligar bem” com Cristas

  • Lusa
  • 5 Setembro 2019

Líder do PSD não se se arrepende de não ter feito uma coligação pré-eleitoral com o CDS, mas admite que poderia "ligar bem" com Assunção Cristas após as eleições de 6 de outubro.

O presidente do PSD considera que não disputa eleitorado com o CDS-PP, mas com o PS, não se arrepende de não ter feito uma coligação pré-eleitoral com os democratas-cristãos e admite que poderia “ligar bem” com Assunção Cristas.

Em entrevista à Lusa, que será divulgada na íntegra no domingo, Rui Rio antecipa que o debate que terá com a líder do CDS-PP, na SIC, – o primeiro em que participa – será convergente nas críticas ao Governo socialista, com “alguma ou outra diferença” em matéria de propostas.

“Historicamente, neste ponto ou noutro, o PSD disputou eleitorado com o CDS, comigo o PSD não disputa eleitorado nenhum com o CDS. O CDS é um partido de direita – e bem, tem de haver partidos democráticos de direita -, o PSD não é um partido de direita genuinamente desde a sua fundação (…) é social-democrata, somos um partido de centro”, afirmou.

“Disputo eleitorado ao centro, eu disputo mais eleitorado ao PS do que com o CDS, como é evidente”, frisou.

Quanto ao debate com Assunção Cristas, Rio admite que pode haver “um ou outro ponto em que o CDS venha a defender uma posição mais à direita, mais conservadora”.

“Naquilo que forem as críticas ao governo, vamos ter provavelmente uma convergência muito grande. Naquilo que forem as propostas, pode-se notar aqui ou acolá uma ou outra diferença, se as coisas fossem para o capítulo ideológico notavam-se mais diferenças”, disse, acrescentando que, pessoalmente, não tem “nada de direita” e é “social-democrata pelo menos desde os 15, 16 anos”.

Questionado se se arrepende de não ter feito uma coligação pré-eleitoral com o CDS, Rio respondeu negativamente.

“Não, a única vantagem da coligação pré-eleitoral é realmente o método de Hondt. Por meras razões matemáticas, as coligações acabam por dar mais dois ou três deputados no final. No entanto, acho que apesar de tudo é saudável que os partidos se apresentem em listas próprias, como se apresentaram em 2011 e depois fizeram Governo”, recordou.

O líder do PSD considerou que em 2015 “fazia sentido” PSD e CDS irem a votos em listas conjuntas, depois de quatro anos coligados no Governo, tal como nas listas da Aliança Democrática (AD) de Sá Carneiro, em que, no final dos anos ’70, “era preciso uma grande frente à direita do PS”.

“Hoje não, é saudável os partidos irem com listas próprias, têm os seus projetos, marcam algumas diferenças, quanto mais não seja na postura e na maneira de estar, para lá da componente ideológica. E depois há um resultado eleitoral e o lógico é que, sendo necessário para formar uma maioria, haja uma coligação”, considerou.

Rio repetiu que nunca perdeu uma eleição e lembrou que as que ganhou “foram todas com o CDS”, frisando, contudo, que quaisquer coligações “têm muito a ver com as afinidades entre as lideranças”.

“O dr. Francisco Sá Carneiro e o professor Freitas do Amaral ligavam bem, o dr. Pinto Balsemão com o professor Freitas do Amaral não ligavam bem”, disse.

Questionado se Rui Rio ligaria bem com Assunção Cristas, respondeu, depois de uma pausa: “Eu penso que há condições para ligar bem, pode não ligar, só a experiência o dirá, mas não vejo razões porque não há de ligar bem”.

“Se tivesse sido há uns anos talvez [fosse] mais difícil, agora ela tem mais experiência, esteve no governo uns anos, é líder do CDS há uns anos… A experiência, a força da idade, isso é suficiente para as pessoas encaixarem na política”, considerou.

Sobre a importância deste período de pré-campanha, muito marcado por debates e entrevistas, o líder do CDS admitiu ser “um tempo que vale bastante”, considerando que há mais indecisos até ao fim do que há alguns anos.

“Tem importância o todo. No caso do Governo, os quatro anos da governação, tem importância nos partidos da oposição o que foram dizendo e fazendo ao longo desses quatro anos (…) É um tempo que vale bastante, depois ainda tem a campanha eleitoral propriamente dita que também vai contar”, considerou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio admite que poderia “ligar bem” com Cristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião