Vieira da Silva diz que serviços mínimos na greve dos motoristas não interferem no conflito

  • Lusa
  • 5 Setembro 2019

Ministro do Trabalho diz que "não é fácil fazer uma previsão" dos possíveis efeitos da próxima paralisação que os motoristas de matérias perigosas.

O ministro do Trabalho assegurou que os serviços mínimos decretados para a greve dos motoristas de matérias perigosas, que começa no sábado, não têm como objetivo interferir no conflito laboral, mas apenas garantir necessidades essenciais da população.

“A lógica dos serviços mínimos tem de ser sempre similar. Não é uma forma de dirimir conflitos entre empresas e sindicatos. A lógica dos serviços mínimos é identificar necessidades essenciais para os portugueses”, disse Vieira da Silva na Grande Entrevista da RTP3.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social acrescentou que, desta vez, o princípio é o mesmo, mas, tendo em conta que se trata de uma greve ao trabalho extraordinário, fins de semana e feriados, o impacto será diferente das greves anteriores e os serviços mínimos também serão diferentes.

“A natureza desta greve não tem condições para ter um impacto semelhante às anteriores“, considerou, acrescentando que não é fácil fazer uma previsão dos possíveis efeitos da próxima paralisação que os motoristas de matérias perigosas.

Vieira da Silva lembrou que o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) já tinha dado o seu acordo às áreas passíveis de serviços mínimos, como a saúde, proteção civil, portos e aeroportos, como se veio a concretizar.

Depois de uma greve em abril e outra em agosto, por melhores condições remuneratórias, os motoristas de matérias perigosas iniciam no sábado uma nova greve que deverá terminar no dia 22.

Esta greve, tal como as duas anteriores foi convocada pelo SNMMP, um sindicato independente, criado há cerca de um ano, que até há pouco tempo teve como porta-voz um advogado que, entretanto, se tornou candidato às eleições legislativas pelo Partido Democrático Republicano.

Vieira da Silva considerou, a propósito, que a criação de sindicatos independentes é um fenómeno novo que merece atenção.

“Neste caso trata-se de um sindicato dito independente, mas que, rapidamente, se transformou num fornecedor de cabeças de lista”, afirmou à televisão pública.

O ministro aproveitou ainda a entrevista para fazer um balanço positivo da última legislatura e da solução governativa encontrada à esquerda, embora reconhecendo divergências relativamente a algumas matérias, nomeadamente, a revisão da legislação laboral que vai entrar em vigor em 1 de outubro.

Vieira da Silva reafirmou que a reforma legislativa feita teve como “primeiro objetivo” reduzir a elevada precariedade laboral, que reconheceu existir no país.

José António Vieira da Silva vai deixar a política ativa, não se recandidatando nas próximas eleições legislativas, em 06 de outubro, após “20 anos de dedicação à ação pública”, como deputado e governante.

O ministro esclareceu que já calculou o valor da sua futura pensão de reforma, com base nos simuladores disponíveis para qualquer cidadão.

“Não tenho nenhuma subvenção vitalícia. A minha pensão foi calculada só com base nos salários auferidos”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva diz que serviços mínimos na greve dos motoristas não interferem no conflito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião