Próximo chairman da Lusitania em risco de ser chumbado

  • ECO
  • 9 Setembro 2019

Fernando Dias Nogueira está proposto pela Associação Mutualista, liderada por Tomás Correia, para o cargo de chairman da Lusitania Seguros, mas o nome está em risco porque não obteve parecer da ASF.

Fernando Dias Nogueira foi proposto para presidente do conselho de administração da Lusitania Seguros, como o ECO revelou em primeira mão, mas o seu nome está em risco porque não obteve o parecer prévio do regulador.

Os novos órgãos sociais para a seguradora da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG) vão hoje ser votados em assembleia geral extraordinária. Conforme adiantou o ECO, a proposta do acionista inclui Manuela Rodrigues como próxima CEO da Lusitania Seguros, para o lugar Fernando Nogueira. Este último está indicado para chairman da companhia, mas a sua nomeação enfrenta obstáculos.

O ECO questionou a AMMG na semana passada sobre o processo, mas não obteve resposta. O Observador (acesso livre) revela esta segunda-feira que o nome de Fernando Dias Nogueira foi chumbado pela Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF), explicando depois que o responsável foi presidente executivo da seguradora condenada, no início de agosto, pela Autoridade da Concorrência pela prática de cartel no setor.

Pelo envolvimento no processo de cartel, acrescenta o Observador, a ASF deu um parecer negativo ao nome de Fernando Nogueira, o que levou a que Virgílio Lima, administrador da AMMG, tenha escrito, na semana passada, uma carta ao regulador agora liderado por Margarida Corrêa de Aguiar a refutar os argumentos da reguladora dos seguros. Ainda não há decisão final em relação a este progresso.

Em reação, a “ASF confirma que se encontra em processo de avaliação de idoneidade dos membros propostos para os órgãos sociais da Lusitânia Seguros, Lusitânia Vida, N Seguros e Montepio Seguros, não tendo tomado ainda uma decisão”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Próximo chairman da Lusitania em risco de ser chumbado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião