Rio ataca “recente máxima das contas certas do PS”. Costa diz que PSD sobe impostos desde Barroso

A 20 dias das legislativas, os líderes dos dois maiores partidos debateram em direto e nas três televisões em simultâneo.

Menos ideológico, mais centrado nas políticas públicas. O debate entre os líderes dos maiores partidos portugueses às legislativas de 6 de outubro arrancou com Rui Rio a atacar as contas certas do Governo, referindo-se à principal bandeira eleitoral do PS como uma espécie de última moda entre os socialistas. Costa não se ficou e lembrou que o histórico do PSD é a transformar anúncios de choques fiscais em subidas de impostos.

O arranque coube ao presidente do PSD que tentou explicar que as contas certas do Governo resultam de ajudas extra — o BCE, os dividendos do Banco de Portugal, subida de carga fiscal e a conjuntura — e não de reformas estruturais. Rui Rio falou mesmo da “recente máxima das contas certas”, como este fosse um autocolante que não colasse no PS.

Costa defendeu que Portugal tem crescido mais que a Zona Euro e que essa é a melhor prova de que a estratégia do Governo está certa e recordou que os resultados obtidos nesta legislatura — com o défice mais baixo da democracia e a criação de emprego — falam por si.

"O PSD propõe um choque fiscal que, como sabemos desde o tempo de Durão Barroso, acaba sempre num enorme aumento de impostos.”

António Costa

Primeiro-ministro

Mas além dos resultados, o líder do PS também se socorreu da caderneta de autocolantes. E se ao PS não cola o das contas certas, ao PSD cola o do aumento de impostos — principalmente depois de prometer o contrário em campanha.

“O PSD propõe um choque fiscal que, como sabemos desde o tempo de Durão Barroso, acaba sempre num enorme aumento de impostos”, disse António Costa, lembrando dois momentos recentes da história da política económica do país. Em 2002, o então primeiro-ministro Durão Barroso aumentou o IVA assim que chegou ao Governo. Em 2013, foi pela mão do Governo de Passos Coelho que Portugal se confrontou com o “enorme aumento de impostos” de Vítor Gaspar.

Rio tenta desfazer as contas certas do PS, enquanto Costa tenta descredibilizar a promessa de descida de impostos de Rui Rio avaliada em 3,7 mil milhões de euros e que contempla alívio no IRS, IRC e IVA da eletricidade entre outros.

Mas se nem um nem outro acreditam na bandeira principal do seu opositor, as estratégias de recuo também parecem ser diferentes — pelo menos aos olhos de Rui Rio. Perante um cenário de abrandamento da economia internacional, o líder do PSD diz que o PS “ajusta aumentando impostos ou cortando na despesa” enquanto o programa eleitoral dos sociais-democratas prevê uma redução de impostos mais lenta e uma subida do investimento público mais faseada.

De resto, o debate foi uma repetição de uma série de argumentos que ambos têm apresentado. Embora como Rui Rio não é deputado o confronto entre ambos quase nunca é direto.

Rio falou da falta de investimento público, Costa lembrou que olhando apenas para o investimento financiado pelo Orçamento do Estado (deixando de fora o que resulta de fundos comunitários) o que foi feito nesta legislatura foi maior do que na anterior.

Na saúde continuaram as divisões, com Rio a falar na falta de aposta no setor e Costa a dizer que há mais 1.600 milhões de euros em despesa e que a limitação que o PSD aplica aos consumos intermédios acabará por afetar o Serviço Nacional de Saúde — uma constatação que Rio rejeitou.

Também a carga fiscal voltou a separar os dois lados. Rio diz que Costa baixou 1.000 milhões em IRS, mas “aumentou 1,2 mil milhões em indiretos”. O primeiro-ministro insistiu na ideia de que a carga fiscal cresce por causa do aumento do emprego e dos rendimentos (mais salários e salários mais altos geram mais IRS e mais contribuições para a Segurança Social).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio ataca “recente máxima das contas certas do PS”. Costa diz que PSD sobe impostos desde Barroso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião