Portugal entre países europeus que mais tem de reformar mercado de trabalho, diz Moody’s

A Moody's diz que Portugal é um dos países -- a par de Espanha, França e Itália -- que mais tem de reformar o mercado de trabalho para incentivar o investimento e reforçar a resiliência da economia.

Apesar das reformas laborais levadas a cabo durante, ou desde, a crise das dívidas soberanas da Zona Euro, o mercado de trabalho português carece de alterações sobretudo ao nível dos contratos, dos salários e da legislação de proteção ao emprego. O aviso é deixado pela agência Moody’s, que sublinha que Portugal é mesmo um dos países europeus que mais tem de reformar o mercado de trabalho.

A maioria das necessidades de reformas laborais mantêm-se concentradas na periferia da Zona Euro. Enquanto países como os nórdicos e o Reino Unido limitaram as suas necessidades de reformas laborais com as mudanças implementadas há décadas, as carências em Espanha, França, Itália e Portugal são muito maiores, apesar das medidas tomadas durante, ou desde, a crise das dívidas soberanas da Zona Euro“, explica a agência de notação financeira, num relatório divulgado esta terça-feira.

A Moody’s separa as reformas laborais necessárias em três categorias — legislação de proteção ao emprego, contratos de trabalho, salários e educação e competências –, que diz considerar essenciais para o fortalecimento de qualquer país contra eventuais choques, uma vez que melhoraram a capacidade dos trabalhadores se ajustarem a novas condições económicas e promovem o crescimento ao reduzir, por exemplo, o desemprego jovem.

No caso de Portugal, a agência nota que são precisas reformas ao nível dos contratos e da legislação de proteção ao emprego, que se mantêm barreiras ao investimento. Nesse sentido, a Moody’s indica que, por terras lusitanas, cerca de 60% dos trabalhadores jovens têm contratos temporários, muitos dos quais para postos de trabalho permanentes. “Tal pode ter implicações duradouras na força da economia – enfraquece o mercado de trabalho, diminuiu a produtividade e concentra o fardo dos ajustamentos do mercado naqueles que têm contratos temporários“.

Além disso, a Moody’s diz que Portugal é um dos países onde os salários e os mecanismos usados para definir as remunerações são barreiras visíveis ao investimento. O mesmo acontece com a educação — as baixas qualificações dos trabalhadores tendem a impedir o crescimento do país — ainda que a Moody’s reconheça que o Governo já está a trabalhar esta matéria, com o programa Qualifica.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal entre países europeus que mais tem de reformar mercado de trabalho, diz Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião