Golas anti-fumo levam a buscas no MAI e Proteção Civil

  • ECO
  • 18 Setembro 2019

Estão a ser realizadas buscas em oito habitações e 46 locais, incluindo o Ministério da Administração Interna e a sede da Proteção Civil no âmbito do caso da compra das golas anti-fumo.

A Polícia Judiciária está a realizar buscas no Ministério da Administração Interna (MAI), na sede da Autoridade Nacional de Emergência da Proteção Civil (ANPC) e em outros locais, no âmbito do caso da compra das golas anti-fumo para as populações da iniciativa Aldeia Segura. Os crimes em causa são de participação económica em negócio e desvio de subsídio, avançou a TVI (acesso livre).

A buscas, que envolveram 200 elementos da PJ, Autoridade Tributária e Aduaneira e sete elementos do Núcleo de Assessoria Técnica da Procuradoria-Geral da República, foram adiadas devido às “condições atmosféricas” nas zonas em risco de incêndio, revela o Ministério Público (MP), em comunicado.

Estão em causa oito buscas domiciliárias e 46 não domiciliarias. “Atendendo a que em alguns destes locais se desenvolvem atividades operacionais, com vista a minimizar efeitos de acidentes graves ou catástrofes, designadamente relacionados com incêndios, a concretização das diligências de aquisição de prova foi precedida de uma criteriosa análise da situação climática”, explica o MP.

O Ministério Público acrescenta ainda que as condições atmosféricas já haviam anteriormente ditado um adiamento das diligências”. Tendo em conta estas condicionantes, o MP avaliou, no terreno, a viabilidade da “realização de alguma das buscas determinadas, no caso de comprometerem concretas ações de salvamento de vidas ou património em curso ou a desencadear”.

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária está responsável pelas buscas, tendo em conta a investigação em curso no Departamento Central de Investigação e Ação Penal. A empresa Foxtrot, bem como ao dono desta, que forneceu o equipamento ao Estado estão incluídos nas buscas. São ainda visados altos decisores políticos que viabilizaram o negócio.

O MAI já confirmou oficialmente a “realização de diligências do Ministério Público e da Polícia Judiciária nas instalações do MAI e da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil”, em comunicado enviado às redações. “Está a ser prestada toda a colaboração na realização das referidas diligências”, conclui.

Comandos Distritais de Operações de Socorro, bem como o gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil , José Artur Neves, foram também alvo nestas buscas segundo adiantou a Sábado (acesso livre). Adjuntos e assessores do secretário de Estado serão também visados.

Francisco Ferreira, que se demitiu do cargo de adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil em julho, estará também incluído. A demissão chegou depois de ser conhecido que foi Francisco Ferreira, também presidente da concelhia do PS em Arouca, quem recomendou as empresas para a compra das 70 mil golas inflamáveis e dos 15 mil kits de emergência entregues a povoações.

(Notícia atualizada às 13h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Golas anti-fumo levam a buscas no MAI e Proteção Civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião