5 coisas que vão marcar o dia

Do desemprego do Eurostat ao índice de preços da habitação do INE. O dia fica marcado pela divulgação de estatísticas. Em Espanha, a S&P revê o rating da dívida.

A semana termina com estatísticas, muitas estatísticas. O INE divulga o índice de preços da habitação e os números das empresas portuguesas, enquanto o Eurostat publica os dados relativos ao desemprego por nível de formação. Já o Banco de Portugal dá a conhecer os indicadores coincidentes e a S&P revê o rating da dívida espanhola.

Banco de Portugal divulga indicadores coincidentes

O Banco de Portugal divulga, esta sexta-feira, os indicadores coincidentes, indicadores compósitos que procuram captar a evolução da economia nacional e internacional. Em julho, o indicador coincidente da atividade mensal aumentou 2% face ao mesmo período do ano anterior. Já o indicador coincidente do consumo privado aumentou 2,1%. Tal permitiu notar que, apesar do abrandamento da economia verificado na Zona Euro, Portugal continuava estável.

Como estão as empresas portuguesas? INE responde

O INE divulga, esta sexta-feira, o relatório Empresas em Portugal, com dados relativos a 2018. Segundo os dados mais recentes publicados sobre esta matéria, o ano de 2017 ficou marcado pela aceleração do crescimento dos principais indicadores económicos do setor empresarial não financeiro, tendo sido registado uma subida tanto do volume de negócios, como do valor acrescentado bruto e do excedente bruto de exploração. Também o pessoal ao serviço aumentou e até a remuneração por pessoa ao serviço e o VAB por pessoa deram um salto.

Como evoluíram os preços da habitação?

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga, esta sexta-feira, o Índice de Preços da Habitação. Os dados que serão conhecidos esta manhã são relativos ao segundo trimestre do ano. Nos primeiros três meses de 2019, o índice de preços da habitação aumentou 9,2% em termos homólogos e 3,6% pontos percentuais face aos três meses anteriores. A subida em causa foi mais expressiva nas habitação existentes do que nas novas. De janeiro a abril, transacionaram-se 43.826 habitações, o que representa uma subida homóloga de 7,6% e um recuo em cadeia de 5,6%.

Desemprego por nível de formação

O Gabinete de Estatísticas da União Europeia publica, esta sexta-feira, os dados relativos à evolução do desemprego por nível de formação. De acordo com os números mais recentes do INE, no segundo trimestre do ano, a taxa de desemprego entre os trabalhadores portugueses com o ensino secundário concluído era de 7,3%, valor que compara com os 4,4% registados no grupo de trabalhadores com o ensino superior concluído.

S&P revê rating da dívida espanhola

A agência Standard & Poor’s vai rever, esta sexta-feira, a notação financeira atribuída à dívida espanhola. Isto numa altura em que estalou a crise política por terras espanholas, não tendo sido possível evitar a quarta ida às urnas em quatro anos. As novas eleições legislativas foram marcadas para 10 de novembro, depois de Pedro Sánchez não ter conseguido reunir uma maioria parlamentar. Este cenário de caos político poderá ter um impacto significativo na avaliação da S&P.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião