Brent sobe quase 3% e volta a negociar acima de 65 dólares. WTI aproxima-se dos 60

O barril de petróleo do Mar do Norte está novamente a valer mais de 65 dólares. Em simultâneo, o WTI aproxima-se dos 60 dólares em Nova Iorque.

Os preços do petróleo estão novamente a subir depois do disparo desta segunda-feira, desencadeado pelos ataques a refinarias sauditas que arrasaram 5% da produção diária global. O Brent já está a negociar novamente acima dos 65 dólares, uma semana depois de o valor da matéria-prima ter descido abaixo da fasquia dos 60 dólares o barril.

O contrato de Brent para entrega em novembro sobe 2,83% em Londres, para 65,41 dólares, preço de referência para as importações portuguesas. Em simultâneo, o Western Texas Intermediate (WTI) está a negociar em Nova Iorque nos 59,27 dólares, uma valorização intradiária de 2,12%, depois de ter fechado a valer 62 dólares na segunda-feira.

Brent volta a negociar acima dos 65 dólares

A subida desta quinta-feira acontece no dia em que se sabe que a Arábia Saudita começou a importar petróleo de outros países para poder manter o mesmo nível das exportações antes dos ataques do passado sábado, de forma a não perder o estatuto mundial de fornecedor de confiança. Segundo o The Wall Street Journal (acesso pago), o reino saudita não é, normalmente, um importador de crude.

No sábado, drones associados aos rebeldes do Iémen sobrevoaram a baixas altitudes, mantendo-se invisíveis aos radares, tendo lançado mísseis que destruíram algumas das maiores refinarias sauditas, tendo reduzido a metade a produção diária de petróleo do líder da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). A Arábia Saudita acusa o Irão de estar por detrás destes ataques.

Perante a redução súbita na oferta, os preços do petróleo nos mercados internacionais registaram uma subida histórica, com o Brent a namorar os 70 dólares. A Aramco, petrolífera estatal saudita, prometeu restabelecer 50% da produção eliminada até ao final desta semana e garantiu na terça-feira que mantém todos os compromissos assumidos para com os clientes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brent sobe quase 3% e volta a negociar acima de 65 dólares. WTI aproxima-se dos 60

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião