Vendas e marketing: Quem são os mais bem pagos? E os mais procurados?

Copywriter e web designer estão, atualmente, entre as funções mais procuradas. Mas o melhor salário é o do diretor comercial, que pode alcançar os 100 mil euros brutos anuais, diz a Robert Walters.

Os hábitos de consumo estão a mudar. E à medida que os catálogos emigram para os ecrãs dos computadores ou smartphones, e as compras são feitas sem que os clientes precisem de sair casa, torna-se mais importante ter profissionais que tomem conta da área de vendas e marketing das empresas. As funções do mundo digital estão a ganhar terreno e já são das mais procuradas pelas organizações. Mas na área de sales & marketing, há posições que alcançam os 100 mil euros brutos por ano.

“O retalho do futuro será voltado para o e-commerce. As lojas de hoje serão lojas de experiências no futuro. Passarão de meros espaços de venda de serviços e produtos a espaços de venda de experiências, onde o consumidor poderá conhecer os valores das marcas“, começa por explicar a Robert Walters, uma empresa de recursos humanos, em comunicado.

“Serão locais onde poderá encontrar serviços associados ao produto ou pop up stores [pontos temporários de vendas], onde a realidade virtual e a realidade aumentada estarão presentes de forma a conectar o consumidor em loja com o mundo digital”, acrescenta. Mas, para isso, é preciso investir nos melhores profissionais do setor.

"O retalho do futuro será voltado para o e-commerce. As lojas de hoje serão lojas de experiências no futuro.”

Robert Walters

O recibo de vencimento mais recheado é o do diretor comercial

De acordo com o estudo de evolução do mercado de trabalho de sales & marketing, realizado pela Robert Walters, o diretor comercial e o diretor de markteting são aqueles que mais se destacam no que toca aos recibos de vencimento. Consoante os anos de experiência, a remuneração média bruta destes profissionais pode chegar aos 100 mil euros por ano, diz a Robert Walters ao ECO. Fazendo as contas, estamos a falar de mais de 7.000 euros por mês.

Segue-se o head of e-commerce, com um salário médio anual que pode ascender aos 80 mil euros brutos, ou seja, cerca de 5.700 euros por mês. E, do pódio faz ainda parte o diretor de vendas, com um rendimento médio bruto anual de 70 mil euros (5.000 euros mensais).

E-commerce e publicidade dominam os anúncios de emprego

“As empresas já assumiram que a sua presença online é obrigatória para a continuidade e crescimento dos seus negócios, estando, por isso mesmo, a investir cada vez mais neste canal. Procuram integrar profissionais especialistas na área, optando por criar as suas próprias equipas e manter o conhecimento ‘dentro de portas’ e deixando de ter total dependência de parceiros, como agências especializadas de comunicação ou marketing”, explica a empresa especializada em recrutamento.

Entre as competências e perfis mais procurados, a Robert Walters destaca os profissionais especializados em pay per click (PPC) e customer relationship management (CRM). “À medida que os negócios das empresas se transformam […] assistimos a uma enorme procura de profissionais especialistas em CRM. Da mesma forma, as empresas têm cada vez mais necessidade de investir em publicidade online paga, visto que o trabalho de otimização do tráfego orgânico já não é suficiente para as empresas enfrentarem a concorrência online”, explica.

A par destes — e tendo em conta a necessidade de otimização e atualização de conteúdo online — também os gestores de produto para plataformas de e-commerce, os copywriters e os web designers e designers de produto são cada vez mais procurados pelas empresas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas e marketing: Quem são os mais bem pagos? E os mais procurados?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião