Sondagem: Rui Rio aproxima-se de António Costa nas intenções de voto

  • ECO
  • 22 Setembro 2019

Sondagem da Pitagórica para o JN, TSF e TVI indica que a distância entre os dois líderes políticos está a reduzir-se. Ainda são, no entanto, 14 pontos de diferença entre PS (40,6%) e PSD (26,6%).

A diferença entre PS e PSD nas intenções de voto para as legislativas de 6 de outubro está mais pequena. Uma nova sondagem, realizada pela Pitagórica para o Jornal de Notícias, TSF e TVI (acesso livre) indica que 14 pontos dividem António Costa e Rui Rio, após o debate televisivo que colocou frente a frente os dois líderes na semana passada.

As intenções de voto atribuem 40,6% ao PS de Costa e 26,6% ao PSD de Rio. A sondagem começou no dia seguinte ao debate entre os dois e os eleitores foram questionados se mudaram de opinião com o confronto.

Rui Rio teve um saldo positivo de 18,8 pontos percentuais, enquanto António Costa teve um saldo negativo de 8,4 pontos percentuais. Ou seja, maior número de eleitores pioraram a opinião sobre o atual primeiro-ministro, enquanto maior número melhorou a posição sobre o líder dos sociais-democratas.

Esta semana, o Governo também foi abalado pelo caso das golas anti-fumo inflamáveis, que acabou por determinar a demissão de mais um secretário de Estado, bem como pelo parecer da Procuradoria-Geral da República sobre as incompatibilidades no Governo. Apesar disso, as intenções de voto não deixam de atribuir a vitória ao PS.

Tanto PS como PSD estão a subir nas projeções, sendo que os restantes partidos assistem a uma tendência contrária. O BE mantém-se em terceiro lugar (8,8%) e a CDU em quarto (6,8%), mas ambos perdem um ponto percentual face à sondagem publicada a 16 de setembro. Os partidos da geringonça somam 56,2%.

Um potencial bloco à direita (com PSD, CDS, Aliança e Iniciativa Liberal) sobe para os 33,4%. Sozinho, o CDS recolhe 5,2% das intenções de voto, enquanto o Aliança de Pedro Santana Lopes tem agora 1,1%. O Iniciativa Liberal, que chegou a ter 1,3% no barómetro de agosto, está agora com apenas meio ponto percentual, acrescenta do Jornal de Notícias, TSF e TVI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sondagem: Rui Rio aproxima-se de António Costa nas intenções de voto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião