Interessados no banco da Caixa no Brasil têm até 25 de novembro para apresentarem propostas vinculativas

Candidatos à compra do banco brasileiro da CGD têm a partir de 25 de setembro e até 25 de novembro (às 17h00) para apresentarem propostas vinculativas de aquisição.

A segunda fase do processo de alienação do banco brasileiro da Caixa Geral de Depósitos está prestes a arrancar. De acordo com o despacho publicado, esta terça-feira, em Diário da República, começa a 25 de setembro, sendo que Banco Luso-Brasileiro, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia têm, depois, dois meses para apresentarem as propostas vinculativas de aquisição do banco.

No início do mês de setembro, foi publicada a resolução de Conselho de Ministros que confirmou — tal como o ECO tinha avançado em primeira mão — que estão na short list de candidatos à compra de 100% do capital social da sociedade Banco Gera Geral Brasil o Banco Luso-Brasileiro, o Banco ABC Brasil e o fundo Artesia.

De notar que o Banco Luso-Brasileiro é detido a 43% pelo Grupo Amorim e a 43% pelo grupo brasileiro Ruas, enquanto os restantes 14% são detidos pelo grupo Tavares de Almeida. Já o Banco ABC Brasil é detido a 60% pelo grupo árabe Bank ABC.

Estes dois bancos a par do fundo Artesia têm agora até às 17h00 de 25 de novembro para apresentarem as propostas vinculativas de aquisição das ações em questão, seguindo depois a análise das propostas e a decisão quanto ao vencedor, o que se espera que venha a acontecer até final do ano.

“O prazo para a apresentação de propostas vinculativas de aquisição de ações objeto da presente operação de venda direta, em conformidade com as regras estabelecidas no caderno de encargos aprovado como anexo à Resolução do Conselho de Ministros n.º 129-B/2019, de 1 de agosto, termina às 17 horas do dia 25 de novembro de 2019“, lê-se no despacho publicado esta manhã, que refere que a segunda fase do processo de alienação arranca esta quarta-feira.

As alienações das operações internacionais da CGD fazem parte do acordo com a DG-Comp no âmbito da última recapitalização realizada no banco liderado por Paulo Macedo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Interessados no banco da Caixa no Brasil têm até 25 de novembro para apresentarem propostas vinculativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião