Maioria do investimento em startups portuguesas vem do estrangeiro

Capital de risco é principal fonte de financiamento das startups. Estados Unidos e Reino Unido são os principais investidores em empresas nacionais.

A maioria do capital investido em startups portuguesas vem do estrangeiro (66,84%), e Portugal continua ainda atrás da média do investimento neste tipo de empresas, a nível europeu. De acordo com um estudo 2019 Portugal Startup Outlook, da BGI e da EIT Digital, apresentado esta quarta-feira aos jornalistas, a maior parte do capital de risco a financiar startups portuguesas vem dos Estados Unidos (33,9%) e do Reino Unido (11,12%). O venture capital continua a ser a principal fonte de financiamento de startups a nível nacional (68,28% do total investido), seguido de capital privado (29,42%), de acordo com o mesmo estudo.

“Ainda assim, nas fases pre seed e seed é muito fácil de conseguir rondas domésticas”, alerta Otito Dosumu, gestor de projeto da BGI.

De acordo com os dados recolhidos pela BGI, entre as áreas mais atrativas para os investidores estão as indústrias da saúde, dos transportes e mobilidade e dos media devido à expectativa de retorno a médio prazo, explica o relatório.

Também em matéria de políticas públicas e regulatórias, Portugal continua abaixo da média europeia. Os impostos e a burocracia são um dos indicadores que contribuem para esse resultado, excetuando 2015, que coincide com a altura em que se deu o anúncio de que o Web Summit, maior conferência de tecnologia e empreendedorismo do mundo, se mudaria de Dublin, na Irlanda, para Portugal. Já no que toca ao apoio do Governo em matéria de empreendedorismo, o estudo assinala “melhorias”, nomeadamente através de programas de apoio a startups portuguesas como o Startup Visa ou o programa de coinvestimento 200M. O apoio ao empreendedorismo em Portugal aparece, assim, ligeiramente acima da média, tanto na América do Norte como na Europa, entre 2014 e 2016.

Gender gap

O estudo assinala ainda a discrepância de género em matéria de empreendedorismo, assumindo as mulheres um papel de muito menor destaque quando se trata de criar e desenvolver negócios em startups. Em cada 800 trabalhos gerados por startups no Porto, apenas 200 são ocupados por mulheres. Já em Lisboa, em cada cinco postos de trabalho, apenas um é ocupado por uma mulher.

Este ano, pela primeira vez, a Startup Portugal, associação responsável pelo desenvolvimento e implementação da estratégia nacional para o empreendedorismo, divulgou que o negócio das startups representa já 1,1% do PIB nacional.

“Concluímos que Portugal está num caminho de crescimento e desenvolvimento de ecossistema, e que está posicionado no sentido de ter um papel significativo no ecossistema europeu de startups”, assinala o documento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria do investimento em startups portuguesas vem do estrangeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião