Ministro das Finanças admite que uma recessão na Alemanha “é um risco”

  • ECO e Lusa
  • 26 Setembro 2019

Mário Centeno admite que uma recessão na Alemanha “é um risco” para a economia, mas considera que o país tem "todos os instrumentos" para evitar que a recessão se propague pela Europa.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu esta quinta-feira que uma recessão na Alemanha “é um risco” para a economia, durante um almoço de trabalho com empresários em Leiria.

“A Alemanha é um risco. A Alemanha é de todos os riscos aquele que é menos político. Olhamos para a situação na Alemanha e vemos algumas dificuldades um pouco mais substanciais do que as do risco político. Mas posso garantir, até como presidente do Eurogrupo, que a Alemanha tem todos os instrumentos para dar a volta por cima e evitar que uma recessão se instale na Europa”, afirmou em resposta a um dos empresários.

Mário Centeno lembrou que foram precisos seis anos para “crescer ininterruptamente na Europa” e em Portugal. “Aumentámos o emprego na Europa em mais de 11 milhões de trabalhadores nos últimos cinco anos. Quando os riscos são políticos temos de apelar aos políticos para os resolverem. É assim no ‘Brexit’, que é uma invenção política, não é um problema da economia”, sublinhou.

O governante acrescentou que a “situação alemã tem também uma dimensão que é política”, pelo que é preciso “apelar também aos políticos alemães e à Europa no seu conjunto para o resolver”.

Sobre o ‘Brexit’, Mário Centeno referiu ainda que, “apesar de ser muito importante em termos de riscos para a economia portuguesa”, todos se têm estado a preparar.

“É também a guerra comercial, que segue o ritmo do telemóvel do presidente dos Estados Unidos da América, mas que no fim do dia prejudica o desenvolvimento da economia internacional. Neste contexto de enormes incertezas que se reflete na desaceleração da Alemanha, a economia portuguesa tem resistido”, revelou.

Ou seja, “Portugal vai crescer um valor muito próximo de 2% em 2019, cumprindo mais uma vez aquilo que era a previsão do Governo no Orçamento do Estado, apesar da desaceleração das grandes economias europeias”, reforçou.

À margem do encontro com os empresários, Mário Centeno não confirmou as palavras do líder do PSD, que referiu que o ministro das Finanças não ficaria toda a legislatura no Governo, caso seja reeleito.

“Ao contrário do dr. Rui Rio, estou mais interessado nos desafios estruturais da economia portuguesa. O dr. Rui Rio ainda não conseguiu atualizar as suas estatísticas com base na informação que o INE divulgou. Garanto-vos uma coisa: o que está para ficar é a sustentabilidade da economia portuguesa, as suas alterações estruturais e a grande revolução que operámos nos números da economia portuguesa. Uma revolução, às vezes, leva tempo, vamos dar-lhe tempo”, rematou.

Eleições: Centeno considera que não é o momento para debate com Joaquim Sarmento

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse também esta quinta-feira, em Leiria, que não é o momento para debater com o porta-voz das Finanças do PSD, Joaquim Sarmento, as contas e os modelos económicos.

Estamos num processo eleitoral, tivemos os debates entre os líderes de cada um dos partidos. Esse é o debate que se espera que exista numa eleição. Todos os outros são feitos entre cabeças-de-lista e candidatos a deputados. Acho que não é desse debate que estamos a falar, portanto não é bem um debate eleitoral”, disse Mário Centeno, à margem de um encontro com empresários na Nerlei – Associação Empresarial de Leiria.

O ministro das Finanças salientou que “contas certas e números é coisa que não tem faltado neste debate”. “As contas que cada um apresentou, cada um tem de as defender. As minhas são muito claras e felizmente certas”, acrescentou.

Mário Centeno lembrou ainda que foi “mais de 100 vezes à Assembleia da República falar de contas certas” e apresentar a visão do PS dessas contas. “Aliás, o INE [Instituto Nacional de Estatística] dá razão a tudo o que temos vindo a dizer ao longo destes anos. O crescimento em 2017, neste momento, está estimado em 3,5. Lembro que no programa que apresentámos em 2015 tínhamos uma estimativa de 3,1%, para o conjunto dos quatro anos tínhamos uma estimativa de crescimento nominal de 17,2%”, disse.

O governante acrescentou que os números que hoje são conhecidos, “ainda provisórios” em 2018 e 2019, demonstram “um crescimento de 17%, sustentado no investimento que cresce 27% ao longo da legislatura: número praticamente idêntico” àquele que foi apresentado.

O presidente do PSD, Rui Rio, desafiou na terça-feira o ministro das Finanças, Mário Centeno, a aceitar debater com o seu porta-voz para as Finanças, Joaquim Sarmento, as contas e modelos económicos dos dois partidos.

Num almoço com empresários em Setúbal, Rio retomou parte dos temas dos debates de segunda-feira com o líder do PS, António Costa, onde ambos trocaram argumentos sobre o melhor modelo económico para o país e discutiram quem tinha “o melhor Centeno” nas finanças.

O líder do PSD saudou, depois, que a Antena 1 tenha convidado Sarmento e Centeno para um debate sobre matéria económica, que o porta-voz social-democrata para as Finanças Públicas já aceitou, e lançou um desafio.

“O professor Joaquim Sarmento já disse que sim. Se o dr. António Costa tem tanta segurança naquilo que foram os números que jogou para cima da mesa, seguramente que o seu Joaquim Sarmento – que se chama Mário Centeno – aceitará debater esses números”, considerou.

Rio defendeu mesmo que, depois de fechado o período de debates políticos, “fazer um ou outro debate técnico também ajuda a uma campanha eleitoral mais elevada”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Ministro das Finanças admite que uma recessão na Alemanha “é um risco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião