Sondagem dá pelo menos um deputado à Iniciativa Liberal e ao Livre

O Iniciativa Liberal e o Livre deverão eleger deputados, de acordo com a sondagem da Universidade Católica para a RTP. O Aliança e o Chega também poderão chegar ao Parlamento.

A Assembleia da República (AR) pode receber novos partidos na próxima legislatura. A sondagem da Universidade Católica para a RTP aponta para, pelo menos, duas novas forças políticas no Parlamento, sendo que a Iniciativa Liberal pode mesmo chegar a eleger dois deputados.

Depois do PS, PSD, Bloco de Esquerda, CDU, CDS e PAN, o Iniciativa Liberal, de Carlos Guimarães Pinto, recebeu entre 1% e 2% dos votos nestas legislativas de 6 de outubro, ficando habilitado a sentar no Parlamento um deputado, mas pode mesmo chegar a dois deputados.

Por sua vez, o Livre, de Rui Tavares, obteve os mesmos 1% a 2% dos votos dos portugueses, podendo vir a eleger um deputado. Também o Chega, de André Ventura, registou entre 1% e 2% das escolhas dos portugueses, com a mesma sondagem a apontar para entre zero e um deputado escolhido.

O mesmo deverá acontecer com o Aliança, de Pedro Santana Lopes, que deverá ter conquistado 1% dos votos, dando-lhe entre zero e um deputado.

A mesma sondagem da Católica mostra ainda que à frente segue o PS, com uma percentagem de votos entre os 34% e os 39%, o que corresponde a 104 a 112 deputados escolhidos. Atrás aparece com o PSD com 27% a 31% dos votos, podendo vir a eleger entre 74 a 82 deputados.

O BE surge em terceiro com 9% a 12% dos votos (19 a 23 deputados), a CDU com 6% a 8% (nove a 14 deputados) e o CDS com 3% a 5% (quatro a seis deputados). A fechar o top 5 está o PAN com 3% a 5% dos votos, podendo eleger quatro a seis deputados.

(Notícia atualizada às 20h32 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sondagem dá pelo menos um deputado à Iniciativa Liberal e ao Livre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião