Nobel da Medicina atribuído a três cientistas que estudaram adaptação das células à disponibilidade de oxigénio

  • ECO e Lusa
  • 7 Outubro 2019

William Kaelin e Gregg Semenza e o britânico Peter Ratcliffe ganharam o Nobel da Medicina pela investigação sobre como as células sentem e se adaptam à disponibilidade de oxigénio.

O prémio Nobel da Medicina foi atribuído a três cientistas pelas suas descobertas relativas à forma como as células detetam e se adaptam à disponibilidade de oxigénio, anunciou a Academia esta segunda-feira.

O galardão foi atribuído aos cientistas norte-americanos William Kaelin e Gregg Semenza e ao britânico Peter Ratcliffe.

Este é o primeiro dos prémios Nobel a ser anunciado este ano, seguindo-se nos próximos dias os galardões relativos à Física, Química, Literatura, Economia e Paz.

No caso do Nobel da Literatura, um dos mais antecipados a par do Nobel da Paz, serão entregues dois galardões este ano, relativos aos anos de 2018 e 2019, depois de no ano passado a atribuição ter sido suspensa devido a um escândalo de assédio sexual na Academia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nobel da Medicina atribuído a três cientistas que estudaram adaptação das células à disponibilidade de oxigénio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião