Accenture considerada a empresa mais diversa e inclusiva do mundo

A multinacional foi distinguida pelo segundo ano consecutivo no Índice Diversidade & Inclusão, da Refinitiv, que destaca as 100 empresas cotadas em bolsa que mais apostam na diversidade e inclusão.

A Accenture foi considerada, pelo segundo ano consecutivo, a empresa mais diversa e inclusiva do mundo no Índice Diversidade & Inclusão, da Refinitiv. A multinacional é reconhecida pela aposta na diversidade em cargos executivos, pela igualdade no local de trabalho, investimento no desenvolvimento de talento e promoção de um diálogo global.

O conselho de administração da Accenture é composto por pessoas de seis países em quatro continentes, entre elas cinco mulheres (42%), incluindo a CEO, Julie Sweet. Até 2025, a Accenture definiu como objetivo alcançar “uma força de trabalho equilibrada a nível de género“, através do programa global da empresa “Pride Ally” e da rede global “Disability Champions”, para pessoas com capacidades reduzidas.

Construir uma cultura de igualdade onde todos podem progredir é a chave para quem somos enquanto empresa”, sublinha Julie Sweet, CEO da Accenture. “Valorizamos os backgrounds, capacidades e experiências únicas de cada colaborador e responsabilizamo-nos pelo progresso feito face aos grandes objetivos a que nos propomos.”

"Quando as pessoas têm um sentimento de pertença e se sentem valorizadas pelas suas contribuições, perspetivas e circunstâncias únicas, estão mais propensas a progredir e sentem que podem inovar”

Ellyn Shook

chief leadership e human resources officer da Accenture

O ano passado, a Accenture investiu 927 milhões de dólares (cerca de 845 milhões de euros) em aprendizagem contínua, desenvolvimento profissional e na requalificação dos seus colaboradores para os ajudar a manterem-se relevantes em áreas como cloud, inteligência artificial e robótica. Para promover o diálogo global, a empresa desenvolve publicações anuais em liderança com o objetivo de contribuir para o diálogo sobre igualdade no local de trabalho, como é exemplo o relatório Getting to Equal: Disability Inclusion Advantage.

O índice identifica as 100 empresas cotadas em bolsa com os ambientes de trabalho mais diversos e inclusivos, baseando-se em dados relacionados com fatores ambientais, sociais e de governance. No pódio, em segundo lugar ficou a empresa de bebidas britânica Diageo e em terceiro o Royal Bank of Canada, no Canadá. Entre as primeiras dez empresas mais inclusivas encontramos ainda a Natura Cosmeticos, a BlackRock, Inc., a Telecom Italia, a Novartis e a Allianz.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Accenture considerada a empresa mais diversa e inclusiva do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião