Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 10 Outubro 2019

BCE terá avançado com compra de ativos apesar de objeções internas, sendo ainda conhecido que um deputado do Ciudadanos usa residência não habitual em Portugal para pagar menos impostos em Espanha.

Esta quinta-feira fica a saber-se que a retoma do programa de compra de ativos do BCE não terá sido uma decisão tão consensual, mas também que houve um deputado do Ciudadanos que usou o regime fiscal para residentes estrangeiros não habituais em Portugal para pagar menos impostos em Espanha. Os EUA ponderam um pacto cambial com a China como parte de um acordo parcial, isto quando a economia britânica contraiu 0,1% em agosto.

Financial Times

Draghi avançou com compra de ativos pelo BCE apesar de objeções internas

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou em setembro a retoma do programa de compra de ativos, uma decisão que terá sido tomada apesar da oposição de responsáveis internos, segundo revela o Financial Times, nesta quinta-feira. De acordo com o jornal britânico, o comité de política monetária, o qual integra tecnocratas do BCE e os responsáveis dos 19 bancos centrais da Zona Euro, terá desaconselhado a recuperação daquele modelo de estímulos numa carta enviada a Mario Draghi e a outros elementos do conselho de governadores dias antes da decisão. A informação foi confirmada por três membros do conselho.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

El Economista

Deputado do Ciudadanos usa residência não habitual em Portugal para escapar a impostos em Espanha

Marcos de Quinto, deputado e responsável pela área económica do espanhol Ciudadanos, terá usado o regime fiscal para residentes estrangeiros não habituais em Portugal para reduzir substancialmente a sua fatura de impostos sobre o rendimento de 2018 em Espanha. A notícia é avançada pelo El Economista, que explica que Marcos de Quinto adquiriu uma casa ao abrigo deste regime fiscal destinado a estrangeiros com elevados rendimentos, tendo vivido em Portugal apenas cerca de três meses.

Leia a notícia completa no El Economista (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Bloomberg

EUA ponderam pacto cambial com a China como parte de um acordo parcial

A Casa Branca estará a planear um pré-acordo cambial com a China, segundo revelaram à Bloomberg fontes próximas das negociações. O acordo cambial, que terá sido previsto para o início deste ano antes das negociações comerciais terem falhado, fará parte daquilo que a Casa Branca considera poder vir a ser a primeira fase de um acordo com Pequim. A ideia é que este acordo inicial seja seguido por mais negociações sobre questões centrais, como propriedade intelectual e transferências forçadas de tecnologia.

Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

The Guardian

Economia britânica encolhe em agosto

A economia britânica contraiu 0,1% em agosto, o primeiro registo mensal que aponta para a economia a encolher desde abril, e o primeiro já com Boris Johnson como primeiro-ministro, notícia o jornal britânico The Guardian. O resultado foi ligeiramente mais negativo que o esperado para o mês de agosto, com os analistas a apontarem para uma estagnação na evolução mensal do Produto Interno Bruto britânico.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Business Insider

Maioria dos norte-americanos não sabe que o Facebook é dono do Instagram e do WhatsApp

Um estudo revelou os fracos conhecimentos digitais dos norte-americanos. Um inquérito levado a cabo pelo Pew Research Center, citado pelo Business Insider, identificou que se a maioria dos adultos consegue responder de forma correta a questões relacionadas com esquemas de phishing ou sobre cookies em sites, noutras áreas o grau de conhecimento é mais fraco. Por exemplo, apenas 29% dos adultos consegue identificar o WhatsApp e o Instagram como sendo empresas detidas pelo Facebook.

Leia a notícia completa no Business Insider (acesso livre, conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião