Hoje nas notícias: Montepio, Maló e Tancos

  • ECO
  • 14 Outubro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Numa reunião do Banco de Portugal, no ano passado, a situação vivida no grupo Montepio foi comparada com a do Banco Espírito Santo. Paulo Maló poderá perder a fortuna pessoal, com o Novo Banco e a CGD a avaliar uma execução dos avales dados pelo médico e empresário. Pelas escolas, várias turmas estão a sentir falta de professores, que rejeitam horários devido às altas rendas das casas. Veja estas e outras notícias que marcam as manchetes nacionais.

Reunião no Banco de Portugal comparou Montepio ao caso BES

Carlos Costa e Elisa Ferreira, governador e vice-governadora do Banco de Portugal, foram confrontados, em reunião do supervisor de março de 2018, pelo conselheiro João Talone sobre o grupo Montepio, com este a afirmar que “se assemelhava a um esquema Ponzi”, comparável ao Banco Espírito Santo (BES).

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Novo Banco e CGD vão atrás da fortuna de Maló

Depois de se afastar do grupo que fundou, Paulo Maló poderá ver executado o património pessoal. O médico e empresário deu avales pessoais para cobrir os financiamentos das suas empresas, garantias essas que estarão agora a ser alvo de um processo de execução por parte do Novo Banco. O mesmo poderá estar a acontecer no grupo Caixa Geral de Depósitos (CGD), através do Banco Nacional Ultramarino, a quem Paulo Maló terá dado avales pessoais para o financiamento.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Mais de duas mil turmas com falta de professores

Cerca de um mês depois do arranque do ano letivo, são várias as turmas que estão com falta de docentes. Mais de duas mil turmas têm este problema, sendo que Informática, Inglês e Geografia são das disciplinas mais afetadas. Na base do problema estará o valor alto das rendas de casa, que leva os professores recusar horários. O Ministério da Educação assegura que já tem os casos sinalizados.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Fugas de informação “minaram” e “descredibilizaram” a investigação da PJ no caso Tancos

Informações publicadas na imprensa sobre o caso Tancos “possibilitaram aos suspeitos ter acesso às linhas de trabalho da investigação, bem como às diligências que iam sendo realizadas”, causaram “o descrédito na investigação” e “minaram todas as diligências de forma irremediável, conduzindo a uma constante alteração de procedimentos e estratégias de investigação”, conclui um relatório da Polícia Judiciária (PJ). No documento, a PJ aponta ainda o dedo aos militares por estas fugas de informação.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Hospitais “não podem ser confundidos com repartições de Finanças”

O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares, Alexandre Lourenço, reitera que “os hospitais não podem ser confundidos com repartições de finanças”, em entrevista ao jornal i. O representante dos administradores hospitalares deixa ainda um alerta para a situação vivida no setor, apontando que “se não forem tomadas medidas estruturais, o sistema vai colapsar”.

Leia a notícia completa no Jornal i (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Montepio, Maló e Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião